Cientistas criam método para mostrar dilatação do tempo

Experimento compara átomos acelerados em velocidades distintas e calcula a alteração das idades das partículas

Efe,

11 de novembro de 2007 | 16h12

Uma equipe de cientistas desenvolveu um novo método baseado em relógios atômicos ópticos para mostrar, com uma precisão sem precedentes, o fenômeno da dilatação do tempo, um dos aspectos mais fascinantes da teoria da relatividade especial. Os resultados do relatório, publicados neste domingo, 11, na revista científica britânica Nature, confirmam a validade da teoria da relatividade especial de Albert Einstein e apresentam um importante ponto de referência para futuras aplicações práticas, como o Sistema de Posicionamento Global (GPS, em inglês). A dilatação do tempo é um fenômeno pelo que os tique-taques de um relógio que está em movimento serão mais lentos do que os de outro relógio idêntico que estiver em repouso. Segundo um experimento mental conhecido como o "Paradoxo dos Gêmeos", se, por exemplo, um gêmeo viaja ao espaço em alta velocidade, no momento em que retornar à Terra seria mais jovem que seu irmão idêntico. Em vez de gêmeos, a equipe de cientistas dirigida por Sascha Reinhardt, do Instituto Max Planck, na Alemanha, utilizou dois átomos que alcançavam velocidades de 6,4% e 3%, respectivamente, da velocidade da luz. Segundo o estudo, os pesquisadores conseguiram determinar a idade dos átomos com uma alta precisão sem precedentes, graças a uma técnica pioneira baseada na utilização de um laser, inventada pelo alemão Theodor Hänsch, um dos autores do relatório e prêmio Nobel de Física em 2005. Na teoria da relatividade postulada por Einstein, as medidas de tempo e espaço são relativas e não absolutas, já que dependem do estado de movimento do observador. Até agora, se utilizou os satélites GPS para medir a dilatação do tempo, mas o estudo reivindica que o atual experimento é o primeiro teste que supera a sensibilidade obtida pelo sistema de posicionamento.

Tudo o que sabemos sobre:
TempoTeoria da Relatividade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.