Cientistas decifram origem genética do vírus A(H1N1)

Dos oito tipos de RNA que compõem o material genético do vírus, seis vieram de porcos norte-americanos

da Redação,

04 Maio 2009 | 13h02

Cientistas americanos e japoneses decifraram a origem evolutiva do novo vírus A(H1N1), da chamada gripe suína, informa o jornal japonês Asahi Shimbun. Segundo os pesquisadores, dos oito tipo de ácido ribonucleico (RNA) que compõem o material genético do vírus, seis realmente vieram de vírus que infectavam porcos na América do Norte. Os outros dois v~em de vírus que infectavam porcos na Europa e na Ásia.

 

Veja também

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde  

 

Vírus específicos de gripe suína e de gripe aviária normalmente não afetam seres humanos, mas porcos podem contrair gripe humana e gripe aviária. Com isso, o corpo do animal oferece aos vírus a capacidade de partilhar material genético, dando origem a novas variedades de agentes infecciosos.

 

Durante uma epidemia de gripe suína na América do Norte em 1998, o vírus da gripe suína norte-americana aparentemente misturou-se com o vírus da gripe humana de Hong Kong e com vírus de gripe aviária no corpo dos porcos, dizem os pesquisadores, ad Universidade de Columbia (EUA) e do Instituto de Recursos Biológicos de Nagô (Japão).

 

 

A equipe japonesa determinou que uma das seis variedades de RNA de gripe suína encontradas no novo vírus teve sua origem num vírus de gripe humana, dois surgiram de vírus de gripe aviária e os outros três, de gripes suínas mais antigas.

 

os cientistas ouvidos pelo Asahi advertem que é preciso continuar a monitorar a evolução do A(H1N1), porque o vírus pode vir a sofrer novas mudanças em sua composição genética.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.