Escola de Engenharia Viterbi (USC)
Escola de Engenharia Viterbi (USC)

Cientistas descobrem como ativar e desativar a memória em ratos

Estimulo no hipocampo fez os animais lembrarem como ativar mecanismo para conseguir água

Estadão.com.br,

17 Junho 2011 | 12h05

SÃO PAULO - Pesquisadores das universidades da Carolina do Sul e Wake Forest, nos Estados Unidos, descobriram como ativar e desativar a memória em ratos por meio da manipulação de células cerebrais. O estudo foi publicado no Journal of Neural Engineering.

Para esta pesquisa, os cientistas ensinaram ratos a apertar a alavanca correta para conseguir água. Depois eles recebiam um tipo de medicamento, que afetava a região responsável pela memória de longo prazo, ou seja, a região responsável pelo processo de aprendizagem, com o objetivo de fazê-los esquecer como se fazia isto.

Normalmente, durante o processo em que uma pessoa ou animal aprendem algo, o hipocampo transforma as informações da memória de trabalho em dados para a memória de longo prazo, para que aquilo que foi aprendido não seja esquecido rapidamente.

Após a administração da droga, os cientistas, pela manipulação de implantes eletrônicos, e o estímulo de certas sub-regiões do hipocampo, conhecidas como CA3 and CA1, faziam com que os ratos voltassem a lembrar o que tinham que fazer para conseguir a água. O sistema usado duplica os sinais neurais associados à memória, e quando utilizado em ratos que não estavam sob o efeito da droga, ajudava a melhorar a capacidade destes para lembrar das coisas.

"Aperte o botão ligar, e os ratos lembram. Aperte o botão desligar, e os ratos esquecem", disse Theodore Berger, professor de engenharia biomédica da Universidade da Carolina do Sul.

O estudo é baseado na forma como o hipocampo, uma importante região do cérebro ligada à memória, trabalha. O próximo passo é aplicar um teste similar em primatas. Em humanos, este tipo de tratamento poderia ajudar a recuperar a memória de pessoas com doenças degenerativas, como o Alzheimer.

Mais conteúdo sobre:
memória pesquisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.