REUTERS / CDC / Cynthia Goldsmith
REUTERS / CDC / Cynthia Goldsmith

Cientistas desenvolvem novo teste para zika mais barato e rápido

Método é capaz de detectar se o paciente foi infectado mesmo vários meses após a exposição ao vírus

Fábio de Castro, O Estado de S.Paulo

06 Março 2018 | 08h00

SÃO PAULO - Um grupo internacional de pesquisadores desenvolveu um novo exame de sangue para o diagnóstico da zika que, segundo eles, é mais barato, mais rápido e consegue detectar se o paciente foi infectado de poucas horas até meses após a exposição ao vírus.

+++ Estudo sobre zika revela que genética é que torna bebê suscetível à microcefalia

Os pesquisadores descrevem o novo método em um artigo publicado nesta terça-feira, 6, na revista científica mBio. De acordo com eles, o novo teste será uma poderosa ferramenta para diagnosticar a zika em mulheres durante a gravidez.  

+++ País registra mais de 3 mil casos de más-formações ligadas ao zika

Segundo os cientistas, a taxa de falsos positivos ou falsos negativos do novo teste fica abaixo de 5%. 

+++ Doenças transmitidas pelo 'Aedes' causaram prejuízo de mais de R$ 2 bi em 2016, aponta estudo

"Muita gente que é infectada pela zika não tem sintomas, ou não consegue ir a um médico na fase inicial, aguda, da infecção - o que dificulta o diagnóstico. Nosso novo teste expande a janela para a detecção precisa do vírus, que era de apenas algumas semanas, para vários meses", disse a autora principal do estudo, Nischay Mishra, pesquisadora do Centro para Infecção e Imunidade da Universidade Columbia (Estados Unidos).

Segundo a pesquisadora, o diagnóstico da zika é complexo. Os testes moleculares só são confiáveis se forem feitos em um período de duas a três semanas após a infecção, quando o vírus ainda está circulando na corrente sanguínea. 

Já os testes de anticorpos têm problemas com falsos positivos, porque eles apresentam as chamadas "reações cruzadas" com outros vírus - isto é, eles acusam um diagnóstico de zika quando um paciente tem no sangue os vírus ou os anticorpos da dengue, da febre amarela e da encefalite japonesa, por exemplo.

Para desenvolver o teste, os cientistas analisaram amostras de sangue de crianças da Nicarágua - todas elas soropositivas -, obtidas por um projeto de pesquisas do governo do país da América Central. Com a análise, os pesquisadores identificaram uma sequência única de peptídeos - uma curta cadeia de aminoácidos - que se liga aos anticorpos do vírus da zika, mas não aos de outros vírus como o da dengue. 

Em seguida, os pesquisadores adaptaram uma tecnologia de testes de baixo custo conhecida como Elisa à sequência de peptídeos identificada. Em geral, os testes Elisa usam trechos maiores de proteínas que se ligam ao vírus.

O novo teste, segundo os autores, é altamente específico - isto é, não provoca reação cruzada com anticorpos de outros vírus - e sensível. A taxa de falsos negativos ou falsos positivos é de menos de 5% duas a três semanas após a fase aguda da doença, mesmo quando não há sintomas. 

Ainda segundo os cientistas, o novo teste é capaz de analisar até 200 amostras em quatro horas e terá custo semelhante aos testes Elisa hoje amplamente utilizados em análises clínicas.

Além dos cientistas da Universidade Columbia, participaram do estudo pesquisadores da Universidade da Califórnia, em Berkeley; do Instituto de Pesquisas do Exército Walter Reed; do Departamento de Saúde e Higiene Mental de Nova York; do Departamento Estadual de Saúde de Nova York - todas instituições dos Estados Unidos -; da empresa Roche Diagnostics; da Universidade Erasmus (Holanda); e do Ministério da Saúde da Nicarágua.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.