Cientistas desenvolvem 'trem molecular' para transporte programável

Pesquisa abre mais um caminho para desenvolvimento de modelos avançados de transporte de medicamentos

Agência Fapesp,

07 Fevereiro 2011 | 09h30

SÃO PAULO - Um sistema de transporte molecular programável foi desenvolvido e teve seu funcionamento registrado em tempo real por cientistas do Japão e do Reino Unido. A pesquisa, descrita na revista Nature Nanotechnology neste domingo, 6, abre mais um caminho para o desenvolvimento de modelos avançados de transporte de medicamentos ou de outros dispositivos moleculares.

 

Veja também:

link Pílula magnética pode aumentar absorção do organismo a medicamentos

 

O sistema, que lembra um trem em monotrilho, tem como base as propriedades de automontagem do origami de DNA, uma dobradura do ácido desoxirribonucleico para criar formas em duas ou três dimensões em escala nanométrica.

 

O dispositivo consiste de um trilho de 100 nanômetros (bilionésimos de metro), motor e combustível. Por meio de microscopia de força atômica, os autores do estudo conseguiram observar em tempo real o motor se deslocando por toda a extensão do trilho em uma velocidade média de 0,1 nanômetro por segundo.

 

"O trilho e o motor interagem de modo a impulsionar o motor para a frente. Ao variar a distância entre os dormentes, por exemplo, podemos ajustar a velocidade", disse Masayuki Endo, da Universidade de Kyoto, um dos autores do estudo.

 

Os pesquisadores estimam que os resultados da pesquisa terão implicações importantes para o desenvolvimento futuro de linhas de montagem programadas em nível molecular que poderão levar à criação de ribossomos sintéticos.

 

"As técnicas de origami de DNA permitem a construção de estruturas nanométricas com grande precisão. Podemos imaginar geometrias complexas em trilhos de distâncias maiores que incluam junções. Robôs moleculares manufatores e autônomos são uma possibilidade", disse Hiroshi Sugiyama, outro autor da pesquisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.