Ed Dourado/AE
Ed Dourado/AE

Cientistas desenvolvem trigo de alto rendimento que é tolerante ao sal

Australianos usaram um gene que creem ser responsável por controlar o teor da substância nas plantas, e que estava isolado há mais de 10 anos; sal no solo reduz a produtividade

Reuters,

12 de março de 2012 | 08h50

Pesquisadores australianos conseguiram produzir um tipo de trigo resistente e de alto rendimento que é tolerante ao solo salgado. Essa nova espécie de planta pode ajudar a acabar com a escassez alimentar em lugares áridos e semi-áridos, onde os agricultores lutam com a alta salinidade da terra.

Os estudiosos usaram um gene que creem ser responsável por controlar o teor de sal nas plantas, e que estava isolado há mais de 10 anos, a partir de uma variedade antiga de trigo. O trabalho foi publicado nesta segunda, 12, na revista Nature Biotechnology.

"Esta é a primeira vez que uma variação genética que se perdeu em plantas, por meio da domesticação, foi recuperada de um parente selvagem e colocada de volta na planta", disse o pesquisador Matthew Gilliham, da Escola de Agricultura da Universidade de Adelaide, na Austrália.

O gene produz uma proteína que está presente nas raízes do trigo e que ajuda a bloquear  a 'viagem' do sal, afirmou o pesquisador. Segundo ele, o sal reduz a produtividade e, eventualmente, pode matar a planta. "Quando as plantas crescem em condições salinas, as enzimas não funcionam muito bem", disse Gilliham.

Os pesquisadores cultivaram a nova variedade de trigo em solos com alto teor de sal e descobriram que ela produzia rendimento de até 25% mais do que as cepas sem o gene antigo.

"As pessoas vão ver como isso funciona e talvez em 5 anos poderemos beneficiar outras variedades de trigo", explicou Gilliham.

Para ele, os agricultores da África Subsaariana, Austrália, Estados Unidos e Rússia também podem utilizar o trigo modificado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.