Divulgação
Divulgação

Cientistas desvendam mecanismo que controla a expressão da leucemia

Descoberta de pesquisadores da USP abre caminho para investigação de alternativas terapêuticas para a doença

Agência Fapesp,

08 Fevereiro 2011 | 10h45

SÃO PAULO - Uma equipe brasileira de cientistas desvendou um mecanismo que controla a expressão da leucemia usando uma proteína descoberta em 1995, capaz de destruir células tumorais, deixando ilesas as células saudáveis. O trabalho, descrito na última edição da revista Oncogene, do grupo Nature, foi realizado na Universidade de São Paulo (USP).

 

Essa proteína, conhecida como TRAIL (sigla em inglês para ligante indutor de apoptose relacionada ao fator de necrose tumoral), é considerada um dos mais poderosos recursos naturais do organismo para deter o câncer. No entanto, em certos tipos de câncer há uma inibição de sua expressão, o que permite a evolução do tumor.

 

A equipe brasileira de cientistas desvendou um mecanismo molecular que controla a expressão de TRAIL na leucemia mieloide crônica (LMC). O estudo, que mostrou como a "armadilha contra o câncer" é desmontada, abre caminho para a investigação de alternativas terapêuticas para a doença.

 

Segundo coordenador do projeto, Gustavo Amarante-Mendes, a proteína TRAIL induz suas células-alvo à morte iniciando um complexo e bem regulado programa molecular conhecido como apoptose, que é acionado durante o desenvolvimento embrionário, para formar de maneira apropriada órgãos e tecidos. Na vida adulta, a apoptose - ou morte celular - desempenha um papel fundamental na renovação das células.

 

"Os defeitos no processo de apoptose são observados em diversas formas de câncer e a aquisição de resistência à apoptose é considerada uma das etapas do processo de gênese do tumor. Algumas formas de câncer são capazes de desenvolver resistência à morte induzida por TRAIL. Outras, como a LMC, inibem a produção de TRAIL, escapando desse importante mecanismo de defesa. Nosso estudo demonstrou o funcionamento desse mecanismo molecular", disse Amarante-Mendes.

Mais conteúdo sobre:
câncer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.