Cientistas dizem que é possível encontrar a fórmula de um hit musical

Ao analisar características das músicas mais populares, autores criam equação que prevê potencial de canção virar moda

Das agências de notícias,

19 de dezembro de 2011 | 10h05

 É fácil saber quais são os hits do momento. No entanto, será que a ciência pode elucidar quais músicas têm mais chance de entrar nessa lista? Uma nova pesquisa tenta mostrar que é possível prever se uma canção vai virar moda.

Cientistas da Faculdade de Engenharia da Universidade de Bristol argumentam que é possível predizer a popularidade de uma música por meio de algoritmos. A equipe pesquisou 40 músicas na lista das mais ouvidas nos últimos 50 anos.

Primeiro, os cientistas separaram as mais populares (as top 5) das menos (aquelas que ocupavam as posições 30 a 40 na preferência do público). Em seguida, analisaram características musicais como duração da música, ritmo e sonoridade. Eles também computaram resumos detalhados das músicas, contendo informações como características harmônicas.

Com os dados, eles desenvolveram uma "equação de um potencial hit" que avalia o som de acordo com suas características acústicas. A partir disso, os autores obtiveram uma lista do peso de cada uma dessas características, o que permitiu computar uma nota para cada música.

Com base nessas notas, foi possível classificar as músicas entre "hit" e "não hit", com uma taxa de acerto de 60% em relação à possibilidade de a música estar entre as top 5, ou, ao contrário, se ela nunca passaria da posição número 30.

No entanto, os autores dizem que gostos musicais se desenvolvem, o que significa que a equação de hits em potencial precisa se desenvolver também. "Na realidade, descobrimos que o potencial de se tornar hit depende da época. Isso pode ser em função da estilo musical dominante, cultura e meio ambiente", afirmam.

Tudo o que sabemos sobre:
músicahitsReino Unidomodaacústica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.