Divulgação/Nasa
Divulgação/Nasa

Cientistas dos EUA pedem retomada da produção de plutônio para naves espaciais

O plutônio 238 é necessário para missões que não podem depender apenas de energia solar

estadão.com.br, estadão.com.br

26 Novembro 2010 | 19h10

O Comitê Consultivo de Astronomia e Astrofísica da Fundação nacional de Ciência dos EUA enviou carta ao governo americano e ao comando da Nasa pedindo atenção para a necessidade de retomada rápida da produção de plutônio 238.

 

Esse isótopo é usado para gerar energia para sondas espaciais enviadas para além da órbita de Marte, uma região do espaço onde a energia solar não é mais suficiente para manter os equipamentos funcionando.

 

Os cientistas temem que uma disputa sobre quem deve pagar pela produção - se o Departamento de Energia do governo federal ou a Nasa - atrasem demais o reinício da criação do isótopo. A verba necessária é de US$ 30 milhões.

 

Na carta, o comitê manifesta "preocupação" com a demora na retomada, que pode, de acordo com os autores, "não só prejudicar a capacidade dos EUA de conduzir missões planetárias ao Sistema Solar exterior, mas também impedir o desenvolvimento e implementação de futuras missões astrofísicas" no espaço profundo, além da órbita terrestre.

Mais conteúdo sobre:
plutônio astronomia nasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.