Cientistas dos EUA propõem novo método para localizar cadáveres

O instrumento proposto pelos cientistas é um aspirador que suga amostras de ar

estadao.com.br,

30 Julho 2010 | 16h39

Pesquisadores do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos Estados Unidos (Nist, na sigla em inglês) estão propondo um método para detectar as mudanças químicas provocadas pela decomposição de um corpo enterrado.

 

De acordo com nota divulgada pelo instituto, cães e radares, os métodos geralmente usados na busca de sepulturas clandestinas, nem sempre funcionam - por exemplo, no caso de o corpo estar sob concreto.

 

O instrumento proposto pelos cientistas é um aspirador que suga amostras de ar e as faz passar por uma camada porosa revestida de óxido de alumínio. 

 

O dispositivo, afirma o Nist, é capaz de detectar quantidades vestigiais de um composto de nitrogênio, NRN, que se acumula em bolsões sobre sepulturas. Anteriormente, essa detecção envolvia a análise de amostras de solo, mas o novo aparelho permite que o teste seja feito coma inserção de uma sonda delgada no solo, para captar a assinatura química de carne em decomposição.

 

Descrito no periódico Forensic Science International, o aparelho, criado pelos químicos Thomas J. Bruno e Tara M. Lovestead, pode, segundo Bruno, permitir a descoberta de corpos sob concreto  - bastando, para isso, a perfuração de uma minúscula fenda na laje, e eliminando a necessidade de se quebrar a cobertura toda.

 

O aparelho pode funcionar à temperatura ambiente, mas por enquanto apenas a sonda é portátil - a análise ainda precisa ser feita em laboratório. Bruno diz que está trabalhando numa versão portátil do aparato completo.

Mais conteúdo sobre:
químicacadáverlegistaforense

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.