Cientistas e empresas unem forças para pesquisar doenças

Parceria vai investir US$ 230 milhões no estudo de Alzheimer, diabetes tipo 2, artrite reumatoide e lúpus

Herton Escobar, O Estado de S. Paulo

04 de fevereiro de 2014 | 14h26

Uma parceria da indústria farmacêutica com organizações filantrópicas e os Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos vai investir US$ 230 milhões na pesquisa de novas terapias para cinco doenças: Alzheimer, diabetes tipo 2, artrite reumatoide e lúpus.

O foco das pesquisas será na identificação e validação de alvos biológicos (chamados biomarcadores) associados a essas doenças. Ou seja: na busca de moléculas que estejam alteradas nos pacientes e que possam servir como indicadores clínicos para diagnóstico ou como alvos de drogas para tratamento.

O consórcio, batizado de Parceria para Aceleração da Medicina (AMP, em inglês), conta com a participação de 10 empresas farmacêuticas. Um dos pontos diferenciais da iniciativa, segundo o NIH (que é o maior órgão financiador de pesquisas biomédicas nos EUA), é que todas as informações geradas pelas pesquisas serão distribuídas abertamente para toda a comunidade científica mundial, e não apenas publicadas por meio de trabalhos em revistas especializadas, como é feito normalmente.

"Atualmente, investimos muito tempo e dinheiro em procedimentos com alto índice de fracasso. Enquanto isso, os pacientes e suas famílias aguardam (soluções). Todos os setores da área biomédica concordam que novas estratégias são extremamente necessárias", diz o diretor do NIH, Francis Collins, em texto divulgado pela instituição.

Muitos biomarcadores são identificados rotineiramente por meio de pesquisas básicas na academia, mas apenas uma porção pequena deles é selecionada para pesquisas mais aplicadas na indústria, e apenas uma porção muito menor chega a produzir algum resultado prático para a medicina. Segundo o NIH, o desenvolvimento de um novo medicamento ou terapia consome, tipicamente, mais de dez anos de pesquisa, e a taxa de sucesso é de apenas 5%. Em outras palavras: 95% dos projetos fracassam em algum momento ao longo desse percurso. Consequentemente, cada sucesso custa, em média, mais de US$ 1 bilhão para ser desenvolvido. Por isso a identificação e seleção dos melhores biomarcadores é tão essencial.

Os investimentos serão distribuídos para projetos de pesquisa ao longo de cinco anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.