Cientistas encontram 'mundo perdido' na Antártida

Estudo revela comunidades de espécies desconhecidas no fundo do mar, no ambiente escuro e cálido que rodeia condutos hidrotermais

Efe,

04 de janeiro de 2012 | 10h23

 Um grupo de cientistas britânicos encontrou comunidades de espécies desconhecidas no fundo do mar próximo à Antártida, no ambiente escuro e cálido que rodeia os condutos hidrotermais, diz um estudo.

O achado, feito por especialistas das Universidades de Oxford e Southampton e o Serviço Antártico Britânico permitiram contemplar novas espécies de caranguejo, estrela-do-mar, anêmonas e polvos.

Para a pesquisa, os cientistas empregaram pela primeira vez um veículo dirigido com controle remoto para explorar o East Scotie Ridge, nas profundezas do oceano Antártico.

Nessa zona, os respiradouros hidrotermais, incluindo pontos que chegam a 383 graus Celsius, criam um entorno único carente de luz solar, mas rico em certos componentes químicos.

Segundo o professor Alex Rogers, do Departamento de Zoologia da Universidade de Oxford, "os condutos hidrotermais são o lar dos animais que não são encontrados em nenhuma outra parte do planeta que obtém energia não do Sol, mas de substâncias químicas como o sulfeto de hidrogênio - gás com odor forte e malcheiroso.

As imagens feitas pelo veículo mostram colônias enormes de uma nova espécie de caranguejo agrupadas ao redor dos condutos de ventilação.

A câmera também captou outras imagens de uma nova espécie predadora de estrela-do-mar com sete braços e um polvo de cor pálida não identificado, a quase dois mil metros de profundidade.

"O que não encontramos é quase tão surpreendente como o que encontramos", diz Rogers, que acrescentou que "muitos animais como vermes, mexilhões, caranguejos e camarões encontrados em condutos hidrotermais nos oceanos Pacífico, Atlântico e Índico simplesmente não estavam ali".

Os cientistas também consideram que as diferenças entre os grupos de animais encontrados nos condutos na Antártida e aqueles que estão em outros locais indicam que o Oceano Antártico pode atuar como uma barreira para eles.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.