Cientistas encontram novo tipo de supernova, divulga 'Nature'

Esse novo tipo de explosão estelar é dez vezes mais brilhante do que a do tipo Ia, a mais conhecida

Agência Fapesp

09 Junho 2011 | 09h31

 
Um grupo internacional de cientistas divulgou na edição desta semana da revista Nature a descoberta de um novo tipo de supernova - explosão de uma estrela maciça em estágio avançado de evolução. A explosão estelar azul é dez vezes mais brilhante do que a do tipo Ia, a mais conhecida, e 100 bilhões de vezes mais luminosa do que o Sol. Segundo os pesquisadores, a pesquisa poderá ajudar os cientistas a entender melhor os processos de formação de estrelas, de galáxias e do próprio Universo em sua infância.

 

Veja também:

link Astrônomos descobrem o que provoca tipo especial de supernova

link Erupção inédita de luminosidade no espaço intriga astrônomos

link Menina de 10 anos é a 'mais jovem descobridora de uma supernova'

 

Em todas as supernovas já identificadas, a radiação eletromagnética observada deriva do decaimento radioativo de novos elementos sintetizados, do calor depositado ou da interação entre os dejetos e o meio rico em hidrogênio que se move lentamente após a explosão.

 

A novidade é que nenhum desses processos serve para o tipo de supernova descoberto por Robert Quimby, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, Estados Unidos, e colegas. "Estamos diante de uma nova classe de supernova, até então desconhecida", disse.

 

O grupo identificou duas supernovas que pertencem à nova classe, que receberam os nomes de SN 2005ap e SCP 06F6, a primeira localizada a 3 bilhões de anos-luz da Terra e a segunda a 8 bilhões. Elas são superluminosas, mas não apresentam traços de hidrogênio. Além disso, emitem fluxos consideráveis de radiação ultravioleta durante períodos longos de tempo.

 

As supernovas identificadas como de nova classe são também muito quentes (de 10.000 a 20.000 kelvin), expandem-se a cerca de 10.000 quilômetros por segundo e levam em torno de 50 dias para desaparecer - mais do que as outras supernovas conhecidas.

 

Segundo os cientistas, os eventos de longo prazo iluminados por ultravioleta, que deixam claro todo o entorno da supernova, representam uma oportunidade excepcional para usar espectroscopia de alta resolução com o objetivo de investigar regiões formadoras de estrelas ou de galáxias primitivas.

Mais conteúdo sobre:
supernova espaço ciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.