Cientistas encontram relação entre rejeição social e dor física

Ambos estímulos ativam as mesmas áreas no cérebro

estadão.com.br,

28 Março 2011 | 20h36

SÃO PAULO - Uma pesquisa liderada por Ethan Kross da Universidade de Michigan mostrou que a dor física e a rejeição social ativam as mesmas áreas do cérebro. O estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) mostrou que existe uma relação neural entre estes tipos de experiências.

Durante o estudo, os pesquisadores recrutaram 40 pessoas que passaram recentemente por um rompimento forçado em um relacionamento amoroso e que diziam que pensar sobre isso os faziam se sentir rejeitados. Os participante fizeram dois tipos de tarefas, um relacionado ao sentimento de rejeição e outro ao de dor física.

Durante a primeira tarefa, eles tiveram que olhar para fotos de seus ex-parceiros e pensar sobre o rompimento ou para fotos de amigos e pensar sobre uma experiência positiva passada ao lado desta pessoa. Durante o exercício de dor física, participantes tiveram um estimulador termal colocado no antebraço esquerdo. Alguns deles tiveram que segurar uma xícara de café bem quente, o que gerou um estímulo doloroso, porém tolerável, enquanto outros tiveram um estímulo indolor.

Durante as tarefas, os participantes foram submetidos a ressonância magnética para mapear as áreas de resposta aos estímulos. As regiões ativadas no cérebro foram as mesmas: o córtex somatossensorial secundário e dorsal posterior insular.

A equipe responsável pela pesquisa acreditada que a descoberta é importante para entender como a rejeição social pode levar a dores físicas e a certos tipos de distúrbios.

Mais conteúdo sobre:
rejeição socialdorcérebro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.