Cientistas espanhóis criam meia que evita mau cheiro e problemas na pele

Tecido antibacteriano também evita fungos e coceiras

Efe,

02 de fevereiro de 2012 | 12h01

 Pesquisadores espanhóis criaram um tecido antibacteriano para fabricar meias que não produzem mau cheiro após seu uso e que não causam problemas na pele, como coceiras e fungos.

A novidade foi desenvolvida pelo Centro de Inovação Tecnológica (CTF) da Universidade Politécnica da Catalunha (UPC) e a empresa Sutran y Mas. O objetivo é que as meias sejam comercializadas em breve.

Para produzirem o tecido, os pesquisadores usaram fibras de celulose, geralmente utilizadas para fins médicos, com uma solução de zinco e outros componentes que funcionam como bactericida.

Além de evitar o mau cheiro e evitar fungos e coceiras, a meia é muito útil para pessoas que sofrem de hiperidrose (suor excessivo) e esportistas. As propriedades estruturais do tecido são excelentes para absorver umidade. Outra boa notícia é que o tecido pode ser utilizado na fabricação de outros tipos de roupas.

Atualmente, os produtos têxteis comercializados para evitar o mau cheiro provocado pelo suor utilizam como agente bactericida a prata, elemento que tem causa efeitos colaterais na pele, como dermatose, fungos e coceiras.

Os pesquisadores do CTF comprovaram que o zinco aplicado na fibra elimina 99,8% da presença dos microorganismos "Staphylococus Aerus" e 97,8% do "Klebsiela "Pneumoide", bactérias resistentes que causam o mau cheiro.

O Centro de Inovação Tecnológica da Universidade Politécnica da Catalunha foi inaugurado em 1972 e é especializado no desenvolvimento de novas estruturas têxteis para aplicações técnicas e inteligentes.

A empresa Sutran y Mas comercializou com sucesso a primeira camiseta antisuor do mundo, criada há dois anos.

Tudo o que sabemos sobre:
meiasmau cheirofungos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.