Cientistas estudam ás do 'beatbox'

Estudo mostra que artista usa cerebelo e córtex motor com mais intensidade que iniciante

BBC Brasil, BBC

03 Junho 2011 | 16h30

Um estudo da universidade University College London (UCL) comparou a atividade cerebral do campeão britânico de beatbox (a arte de imitar sons de instrumentos com a boca) com a de um iniciante.

Os pesquisadores observaram com o equipamento de ressonância magnética não apenas a atividade cerebral, mas também os movimentos da boca e da laringe de Harry Yeff, conhecido como Reeps One.

Os cientistas da UCL constataram que o cérebro do mestre do beatbox apresentava atividade em bem menos áreas do que o do iniciante.

A explicação para isso, segundo a estudiosa Carolyn McGettigan, é que duas áreas do cérebro de Yeff, o cerebelo e o córtex motor, parecem trabalhar com muito mais intensidade e foco.

"Começou como brincadeira, mas agora tenho a prova científica, dada por médicos, de que realmente sou um mestre", disse Reeps One à BBC.

O artista afirma ter ficado fascinado pela experiência, mas que a primeira coisa que pensou foi que não tinha ideia da enormidade do tamanho da própria língua. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
música arte beatbox ciência comportamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.