Cientistas identificam um novo domínio ferróico, o ferrotorroídico

Depois do ferromagnetismo, da ferroeletricidade e da ferroelasticidade, cientistas da Alemanha e dos Estados Unidos identificaram um novo domínio ferróico: o ferrotorroídico. A descoberta, tratado pela revista científica britânica "Nature" em seu último número, poderia contribuir para um maior avanço na fabricação de sistemas de armazenamento de dados, um campo de pesquisa agraciado esta terça-feira com o Prêmio Nobel de Física 2007. De fato, a Real Academia de Ciências da Suécia premiou o alemão Peter Grünberg e ao francês Albert Fert pelo descobrimento do "gerador de eletricidade-resistência gigante", um fenômeno que revolucionou as técnicas informáticas para a extração e compactação de dados dos discos rígidos. "Até agora eram conhecidas três formas do domínio ferróico: ferromagnetismo, uma magnetização espontânea; ferroeletricidade, uma polarização espontânea; e ferroelasticidade, uma tensão espontânea", lembram os especialistas em seu artigo da revista. A chave desta conquista está nos campos que se encontram em todos os materiais ferróicos, nos quais se estabelecem as diferentes orientações da ordem magnética. Graças a técnicas de laser óptico, os pesquisadores foram capazes de identificar esta nova ordem em um material antiferromagnético chamado LiCoPO4. "Os campos ferrotorroídicos são determinados no espaço por uma segunda geração óptica harmônica no LiCoPO4, onde coexistem com campos antiferromagnéticos independentes", dizem os especialistas.

Efe,

11 de outubro de 2007 | 11h51

Tudo o que sabemos sobre:
Ferro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.