Cientistas israelenses criam gel à base de algas para regenerar coração

Produto repara tecido que foi danificado por ataque cardíaco, dizem israelenses.

Da BBC Brasil, BBC

12 de agosto de 2008 | 06h51

Pesquisadores israelenses dizem ter desenvolvido um gel à base de algas que pode regenerar tecidos do coração danificados após um ataque cardíaco.A equipe, da Universidade de Ben Gurion, explicou que o produto age sobre o tecido cicatrizado que se forma depois de um ataque originado pela falta de oxigênio, que "mata" parte do músculo cardíaco.Segundo os especialistas, uma vez danificada, a região nunca volta a se regenerar e no lugar do tecido sadio se forma um tecido cicatrizado.O tecido cicatrizado é, em geral, mais fino do que o normal, o que leva o coração a trabalhar mais para bombear o sangue, abrindo caminho para novos problemas, como arritmia cardíaca ou futuros ataques.TestesSegundo a coordenadora da pesquisa, Smadar Cohen, o novo gel é injetado na forma de líquido por meio de um cateter e uma vez em contato com o tecido danificado, se solidifica, permitindo seu espessamento e melhor funcionamento.Depois de seis semanas, o gel é eliminado naturalmente do organismo, tendo deixado o tecido mais fortificado, afirmaram os especialistas. Testes realizados em ratos e porcos mostraram que 90% dos animais que receberam o gel sobreviveram após terem sofrido um ataque cardíaco induzido, em comparação com 40% que não foram tratados com o produto. "O que o gel pode fazer é excelente", afirmou Smadar Cohen. A equipe liderada por Cohen já iniciou testes em pacientes que sofreram ataques cardíacos severos na Bélgica, Israel e Alemanha. Se forem bem sucedidos, futuros experimentos serão realizados nos Estados Unidos.Se a eficácia do gel for comprovada, o produto poderá estar disponível no mercado em 2011.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
músculoataque cardíacogel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.