Joshua Lott/Reuters
Joshua Lott/Reuters

Cientistas preveem 'hibernação' das manchas solares, mas não nova Era do Gelo

Diminuição na atividade das manchas solares está prevista para o fim desta década

Reuters

16 Junho 2011 | 11h48

WASHINGTON - O ciclo das manchas solares - período de 11 anos quando pontos escuros aparecem na superfície do Sol - podem ser atrasados ou até entrar em "hibernação" por um tempo, disse um cientista dos Estados Unidos nesta quarta-feira.

Mas ao contrário de algumas informações já noticiadas, isto não significa que uma nova Era do Gelo está à caminho, disse Frank Hill, do Observatório Solar Nacional.

"Nós não prevemos uma Pequena Era do Gelo", disse Hill. "Nós prevemos que algo está acontecendo com o Sol".

A forma das manchas solares ajuda a prever tempestades solares que podem interferir nas comunicações por satélite e em redes de energia.

Hill e outros cientistas citaram, em três estudo diferentes, manchas fracas e pouca atividade perto dos polos do Sol como um sinal de que nossa estrela mais próxima está entrando em uma período de descanso.

"Isso é incomum e inesperado, mas o fato de que três observações totalmente diferentes do Sol apontam na mesma direção é uma indicação sólida de que o ciclo das manchas solares poderia se encaminhar para uma hibernação", disse.

Esta hibernação não irá começar agora, o atual ciclo de manchas solares, o 24º, acabou de passar pelo seu período de menor atividade, o solar minimum. Hill e seus colegas ponderaram sobre uma diminuição na atividade das manchas solares no ciclo 25, previsto para 2019.

Eles também se perguntam se esta diminuição no ritmo, ou até um longo recesso da atividade das manchas, indicaria um possível retorno do "Mínimo de Maunder", um período sem manchas solares que durou 70 anos e ocorreu entre de 1645 a 1715.

Grande salto

Eles não têm respostas para isto e não dizem nada sobre o Mínimo de Maunder ser relacionado a um período frio na Europa e em outras regiões do Hemisfério Norte, conhecido como Pequena Era do Gelo.

Quão forte é a conexão entre a Pequena Era do Gelo e o Mínimo de Maunder? "Não tão forte quanto as pessoas gostariam de acreditar", disse Hill.

"A Pequena Era do Gelo na verdade durou por centenas de anos, do qual o Mínimo de Maunder foi apenas um pequeno segmento."

Vários sites e blogs argumentaram que a potencial diminuição da atividades das manchas solares poderia cancelar o aquecimento causado pelas atividades humanas que geram as mudanças climáticas a partir de gases do efeito estuda.

"Na minha opinião, isto seria um grande salto... para um resfriamento global abrupto, e a conexão entre a atividade solar e o clima ainda é pouco entendida", ele diz.

Mais conteúdo sobre:
manchas solaresEra do Gelo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.