Cientistas que desvendaram segredos do sistema imunológico ganham Nobel de Medicina

Prêmio de 2011 será entregue a Bruce Beutler e Jules Hoffmann; comitê também concederá premiação póstuma a Ralph Steinman

estadão.com.br com agências de notícias

03 Outubro 2011 | 07h56

ESTOCOLMO - Três cientistas que desvendaram os segredos do sistema imunológico do corpo humano são os ganhadores do Prêmio Nobel de Medicina 2011. O prêmio é de 10 milhões de coroas suecas (cerca de US$ 1,5 milhão ou R$ 2,7 milhões). Ralph Steinman, que morreu na sexta-feira, 30, de um câncer pancreático receberá o prêmio póstumo.

 

O cientista americano Bruce A. Beutler, o francês Jules A. Hoffmann e o canadense Ralph M. Steinman tiveram seus méritos reconhecidos por "revolucionar nosso conhecimento do sistema imunológico ao descobrir princípios cruciais para a sua ativação. "A descoberta dos três cientistas serviu para combater doenças contagiosas, desenvolver vacinas e no avanço da luta contra o câncer.

 

Beutler e Hoffmann compartilharão a metade do prêmio pelo estudo da década de 1990 da imunidade inata. Eles descobriram proteínas receptoras que conseguem reconhecer os microorganismos que atacam o corpo e que ativam a "imunidade inata", o primeiro passo da resposta imune do corpo.

 

Hoffmann investigava em meados da década de 1990 como as moscas da fruta combatem as infecções, e dispunha para isso de exemplares desses insetos com mutações em vários genes, como os receptores Toll, proteínas com um papel importante na adaptação do sistema imunológico. Ao infectar as moscas com bactérias ou fungos, observou que aquelas que tinham mutações nos receptores Toll morriam porque não eram capazes de construir uma defesa efetiva. O cientista descobriu que os receptores estavam envolvidos no processo de detecção de microorganismos patogênicos e que era necessário ativá-los para conseguir uma reação bem-sucedida.

 

Já Beutler, buscava um receptor para fixar os lipopolissacarídeos (LPS), polímeros que formam uma espécie de camada protetora das células bacterianas. Ele descobriu que os ratos resistentes aos LPS tinham uma mutação em um gene muito similar ao gene Toll das moscas da fruta, o que demonstrou que os mamíferos e as moscas da fruta usam moléculas similares para ativar a imunidade congênita e combater microorganismos patogênicos. As descobertas de Hoffmann e Beutler impulsionaram a pesquisa na área da imunidade congênita, e atualmente foram identificados em humanos e ratos mais de dez receptores similares aos Toll.

 

Steinman - que morreu três dias antes de receber o prêmio, na sexta-feira, 30, aos 68 anos - receberá postumamente a outra metade pela descoberta duas décadas antes das células dendríticas. O cientista canadense demonstrou que estas células possuíam uma capacidade única para ativar os linfócitos T, fundamentais na imunidade adaptativa e no desenvolvimento de uma memória imunológica contra diferentes substâncias. Deste modo, Steinman conseguiu revelar como o sistema imunológico adaptativo é ativado e como se relaciona com a imunidade congênita.

 

O comitê, que não sabia de sua morte devido a um câncer pancreático quando o escolheu para receber o prêmio, teve que revisar suas normas antes de decidir conceder um prêmio póstumo a Steinman, já já que as regras do Nobel não permitem prêmios póstumos, a não ser que o laureado morra no período transcorrido entre o anúncio do prêmio e a premiação. "Ele foi diagnosticado com câncer pancreático há quatro anos e sua vida foi prolongada por meio de uma imunoterapia com base em células dendríticas que ele mesmo criou", disse a universidade no comunicado publicado em seu website.

 

O membro do comitê do Instituto Estocolmo Karolinska Hans-Gustav Ljunggren disse que as farmacêuticas utilizam essas descobertas para desenvolver melhores vacinas, ainda que nenhuma delas esteja no mercado. "Algumas vacinas contra hepatite estão para sair, grandes testes clínicos estão sendo realizados hoje", explicou Ljunggren.

 

Ao longo do século passado, os componentes do sistema imunológico foram identificados de forma progressiva, e várias dessas descobertas foram premiadas com o Nobel de Medicina. Mas os mecanismos de ativação da imunidade congênita e de mediação entre esta e a imunidade adaptativa eram um enigma até os estudos dos três ganhadores do Nobel de Medicina 2011.

 

Ao anúncio do Nobel de Medicina seguirão esta semana os de Física e Química, terça-feira, 4, e quarta-feira, 5, o de Literatura, na quinta-feira, 6, e o da Paz, na sexta-feira, 7. Na próxima semana, dia 17 de outubro, também será conhecido também o Nobel de Economia.

  lista Perfis 

 

 Ralph Marvin Steinman nasceu em 14 de janeiro de 1943 em Montreal (Canadá) e morreu na sexta-feira, 30. Ele trabalhava como imunologista e biólogo celular da Universidade Rockefeller de Nova York (Estados Unidos). Steinman obteve o reconhecimento da comunidade científica internacional após cunhar em 1973 o termo "células dendríticas" para designar um tipo de células pouco estudadas até o momento que cumprem papel essencial na luta do organismo contra os elementos externos nocivos.

 

Concretamente, estas células presentes nas regiões superficiais do corpo são capazes de capturar patógenos e "atribuir certas características" a outras células, os linfócitos T, que são as encarregadas de elaborar anticorpos específicos contra cada micróbio concreto.

 

Por sua pesquisa neste campo, Steinman recebeu nos últimos anos o Albert Lasker de Pesquisa Médica Básica (2007) e o Prêmio Internacional da Fundação Gairdner (2003), assim como o prêmio do Centro de Pesquisa Oncológica William B. Coley (1998). Além disso, Steinman é membro do Instituto de Medicina americano desde 2002 e da Academia Nacional das Ciências desde 2001.

 Bruce Beutler, imunologista e geneticista, nasceu em Chicago, nos Estados Unidos, em 29 de dezembro de 1957 e há quatro anos é presidente do departamento de Genética do Instituto de Pesquisa Scripps da Califórnia.

Suas principais contribuições, de acordo com a comunidade científica, são seus estudos, pioneiros nas áreas molecular e genética, no que se refere à imunidade congênita. Suas investigações representaram avanços significativos na luta contra o câncer e no tratamento de doenças como artrite reumática, a doença de Crohn e a psoríase. Beutler identificou genes essenciais na resposta imunológica dos mamíferos diante de infecções microbióticas e descobriu moléculas importantes ligadas à imunidade congênita.

 

Durante sua carreira, Beutler obteve os prêmios Shaw (2011), Robert Koch (2004) e Balzan (2007), o Grande Prêmio Charles-Leopold Mayer (2006), o doutorado honorífico em Medicina da Universidade Técnica de Munique (2007), assim como os prêmios do Centro de Pesquisa Oncológica William B. Coley (2006) e do Centro Médico Albany (2009). O cientista americano é autoridade no campo da imunologia, como demonstra sua constante presença desde 2001 na lista de pesquisadores mais citados do Instituto de Informação Científica.

 

 
Jules A. Hoffmann, de nacionalidade francesa, nasceu em Echternach (Luxemburgo) em 2 de agosto de 1941 e atualmente é diretor de pesquisa e membro da Junta de Administração do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS) da França e presidente da Academia francesa das Ciências.

 

Desde a década de 60 o cientista, graduado em Biologia e Químicas e com doutorado em Biologia, centrou seus trabalhos na resposta imunológica de animais e humanos. Uma de suas contribuições foi a descrição dos mecanismos genéticos que possibilitam e controlam a imunidade inata, primeiro em insetos e depois em mamíferos.

 

Entre outros, Hoffmann recebeu nos últimos anos a medalha de Ouro do CNRS (2011), os prêmios Robert Koch (2004), Balzan (2007) e Shaw (2011), assim como o prêmio do Centro de Pesquisa Oncológica William B. Coley (2003).

Mais conteúdo sobre:
Prêmio Nobel 2011Medicina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.