Christian Hartmann/Estadão
Christian Hartmann/Estadão

Cientistas que relacionam fumo ao menor risco de covid-19 são ligados à indústria tabagista

Publicação médica sobre pneumologia se retratou após publicar estudos de pesquisadores que recebiam financiamentos de produtores de cigarro

Mariana Hallal, O Estado de S. Paulo

23 de abril de 2021 | 12h55

O European Respiratory Journal, publicação científica médica sobre pneumologia, divulgou uma retratação após ter publicado um estudo conduzido por pesquisadores ligados à indústria do tabaco, ferindo o seu estatuto. A pesquisa afirmava que fumantes têm 23% menos probabilidade de serem diagnosticados com covid-19 em comparação aos não fumantes e que o hábito de fumar não é um fator de risco para a doença causada pelo novo coronavírus.

Nessa mesma época em que enviou a pesquisa, em julho do ano passado, o autor José M. Mier fornecia consultorias à indústria do tabaco sobre redução de danos. Já Konstantinos Poulas, que também assina a pesquisa, recebia financiamento da fabricante de cigarros Philip Morris International por meio de seu instituto Nosmoke.

Na retratação, os responsáveis pelo periódico afirmam que o estudo não teria sido publicado se o conflito de interesses tivesse sido informado no momento da submissão do artigo. Isso fere o estatuto da entidade. Indivíduos que mantêm relacionamento contínuo com a indústria do tabaco estão proibidos de publicar no European Respiratory Journal. “No caso deste artigo, o autor responsável pela submissão afirmou que não existia tal conflito de interesses”, diz trecho da retratação publicada inicialmente na edição de março.

Um levantamento da Tobacco Tactics já havia alertado para o conflito de interesses envolvendo Poulas. A iniciativa é ligada à Universidade de Bath, localizada no Reino Unido, e investiga as estratégias e táticas usadas pela indústria do tabaco para atrapalhar a saúde pública.

Relatórios feitos pelo grupo ao longo da pandemia mostram que pesquisadores financiados por fabricantes de cigarro realizaram ao menos quatro estudos defendendo que a nicotina pode proteger contra a covid-19

A iniciativa também identificou que a Foundation for a Smoke-Free World (Fundação Por Um Mundo Sem Fumaça), financiada exclusivamente pela Philip Morris, oferece financiamento para pesquisas que estudam a relação entre o cigarro e a covid.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.