Cientistas tentam explicar 'face dupla' de lua de Saturno

Diferença de temperatura pode fazer com que um dos lados de Japeto fique cada vez mais escuro

09 de outubro de 2007 | 12h51

Um fenômeno bizarro parece estar transportando água congelada de um hemisfério para outro de Japeto, uma lua de saturno conhecida por ter "duas caras" - uma face branca e outra preta, diz nota divulgada nesta terça-feira pela Agência Espacial Européia (ESA), com base em dados levantados pela sonda Cassini.   Esse transporte estaria carregando o gelo das áreas escuras da lua para as mais claras, sustentando a "dupla face" do astro.   Esse modelo, batizado de segregação térmica, sugere que o material escuro da lua é quente o bastante - a 146º C negativos - para que vapor de água seja liberado lentamente a partir do gelo,num processo que, acreditam os cientistas, é um fator determinante na delimitação da fronteira entre o claro e o escuro.   "O lado de Japeto  voltado para a frente em sua órbita ao redor de saturno está sendo escurecido por algum processo misterioso", disse o pesquisador John Spencer, dos EUA.   Os instrumentos a bordo da Cassini estão ajudando a entender o contraste de Japeto, mas ainda falta determinar da onde o material escuro vem. Os pesquisadores sugerem que o material pode ter se desprendido de outras luas que orbitam Saturno na direção oposta à de Japeto.   "Poeira que se solta de luas externas atinge Japeto de frente, causando a face voltada para adiante ficar um pouco diferente", resume o cientista alemão Tilmann Denk.   Uma vez que a lua tenha uma face apenas um pouco mais escura que a outra, a segregação do gelo pelo calor se dá rapidamente. A superfície escura absorve mais luz do Sol e esquenta, fazendo a água evaporar. A água volta a se congelar nos pontos frios mais próximos, que seriam os pólos ou regiões mais claras do outro lado da lua.   Ao perder gelo o lado escuro fica cada vez mais escuro e mais quente, e ao ganhá-lo, o lado claro fica cada vez mais claro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.