Cientistas usam clonagem para produzir células-tronco humanas

Experimento é significativo porque tais células potencialmente podem ser transplantadas para substituir células danificadas em pessoas com diabete ou outras doenças sem serem rejeitadas

Reuters

05 de outubro de 2011 | 17h12

CHICAGO - Cientistas norte-americanos usaram pela primeira vez uma técnica de clonagem para obter células-tronco embrionárias dentro de óvulos humanos não fertilizados, numa descoberta histórica e possível ponto de discórdia para os críticos da pesquisa de células-tronco.

Os pesquisadores estavam tentando provar que é possível usar uma tecnologia de clonagem chamada transferência nuclear de células somáticas (TNCS) para produzir células-tronco embrionárias que correspondam ao DNA de um paciente.

O feito, publicado nesta quarta-feira na revista Nature, é significativo porque essas células específicas de um paciente podem potencialmente ser transplantadas para substituir células danificadas em pessoas com diabete ou outras doenças sem serem rejeitadas pelo sistema imune.

A técnica pode deflagrar mais polêmica, pois alguns opositores consideram que ela seja clonagem, à qual se opõem ferozmente.

"Esse artigo será visto como significativo tanto por aqueles que estão tentando usar a TNCS para produzir linhagens específicas de células-tronco embrionárias humanas como para aqueles que se opõem às experiências de 'clonagem' humana", disse o professor Robin Lovell-Badge, chefe de divisão no Instituto Nacional para Pesquisa Médica da Grã-Bretanha.

As células-tronco são as células mestres do corpo, o material fonte para todas as outras células. Os partidários das células-tronco embrionárias afirmam que elas poderão transformar a medicina, proporcionando tratamentos para a cegueira, a diabete juvenil ou ferimentos graves.

Normalmente, a TNCS envolve a remoção do material genético do núcleo de um óvulo hospedeiro e a sua substituição pelo núcleo de células adultas, na técnica usada para clonar animais como a ovelha Dolly em 1996.

Mas os cientistas até agora não tinham conseguido fazer crescer essas células e dividi-las para além do estágio muito inicial em humanos e em primatas não-humanos.

Nesse estudo liderado por Dieter Egli e Scott Noggle, do New York Stem Cell Foundation Laboratory de Nova York, os cientistas mantiveram o material genético da célula hospedeira e apenas adicionaram o núcleo de células adultas.

Tudo o que sabemos sobre:
Células troncoclonagemCiênciaVida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.