Ted S. Warren/AP
Ted S. Warren/AP

Cientistas usam zepelim para filmar baleias na costa dos EUA

A uma altitude de 300 metros e velocidade de 65 km/h, aeronave permite observação detalhada

Associated Press, AP

28 Setembro 2010 | 15h08

A piloto Katharine Board frequentemente vê grupos de baleias azuis, cinzentas e orcas ao sobrevoar a costa da Califórnia. Comparada a outros pilotos, no entanto, ela tem um ponto de vista privilegiado - baixo e devagar - a bordo do único zepelim operacional dos Estados Unidos.

 

A aeronave dela, uma versão moderna de um aparelho da década de 1930, oferece uma visão clara e estável dos gigantes marinhos.

 

"O bom de voar baixo e devagar - ficamos 300 metros acima do solo e nossa velocidade de cruzeiro é 65 km/h - é que realmente dá para ver o mundo, realmente dá para ver os lugares onde se está", disse ela.

 

Neste mês, a Airship Ventures, empresa proprietária do zepelim, doou um dia de voo a um grupo de cientistas, para que pudessem filmar e fotografar um grupo de orcas na Enseada Puget, em Washington.

 

Geralmente o zepelim - chamado Eureka - oferece voos panorâmicos comerciais para até 12 passageiros, com preços de US$ 200 a US$ 1.000.

Muitas pessoas associam o zepelim á tragédia do alemão Hindenburg, que explodiu em chamas sobre os EUA em maio de 1937, matando 36 pessoas.

 

Desde então, a tecnologia passou por vários aperfeiçoamentos, incluindo uma diferença crucial: o abandono do hidrogênio, um gás altamente inflamável. O Eureka usa hélio. Além disso, suas manobras são computadorizadas e a estrutura é feita de fibra de carbono.

 

Embora tenham aparência similar, zepelins são diferentes dos balões dirigíveis. Os dirigíveis são muito menores e não têm uma estrutura rígida.

 

O grupo de baleias observado é considerado ameaçado. Essas orcas são moradoras permanentes da enseada, caçando salmão.

 

Cientistas da Administração Nacional de Atmosfera e Oceano (NOAA) montaram câmeras de alta definição embaixo do zepelim.

 

Os pesquisadores a bordo do zepelim conseguiram observar cerca de 30 orcas.

Mais conteúdo sobre:
zepelim baleias orcas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.