Cigarros eletrônicos devem ser proibidos em local fechado, diz OMS

Entidade defende que produto seja tratado como um cigarro normal e espera novos estudos antes de liberar totalmente o consumo

Jamil Chade, O Estado de S. Paulo

26 Agosto 2014 | 18h57

GENEBRA - A Organização Mundial da Saúde recomenda que os cigarros eletrônicos sejam tratados como cigarros normais, pelo menos no que se refere à proibição do fumo em locais fechados, limites à publicidade e à venda para menores. Cautelosa, a entidade prefere esperar por novos estudos antes de liberar o produto e insiste que o cigarro eletrônico precisa ser regulado pelos governos nacionais. 

Hoje, 466 marcas disputam um mercado avaliado em US$ 3 bilhões. O interesse é tão grande que mesmo algumas das maiores empresas do setor também lançaram seus próprios produtos. Só na Europa, 7 milhões de pessoas seriam usuárias dos cigarros eletrônicos. Mas, em grande parte do mundo, a venda não está regulamentada, uma realidade que a OMS exige que seja modificada.  

O que pesou na decisão da OMS foi o fato de que, apesar de eletrônico, o consumo de nicotina continua a existir, ainda que a taxas variadas, além de outros ingredientes. Esses compostos podem gerar tumores e, segundo a própria OMS, o que sai dos cigarros eletrônicos "não é apenas vapor". O contato da nicotina com os lábios e a pele também é considerado um risco à saúde. 

A entidade também questiona o suposto impacto que o produto tem para ajudar a deixar de fumar, um argumento usado pelos vendedores e empresas do setor. Para a OMS, as provas são "limitadas" e não se pode tirar qualquer tipo de conclusão por enquanto. 

O que mais preocupa a entidade é que, sem regulamentações, o cigarro eletrônico possa ser na verdade um convite ao fumo, principalmente uma inserção ao cigarro para os adolescentes. 

Por isso, a OMS pede que se proíba esse produto em locais onde não se pode fumar e que a publicidade também cumpra as mesmas normas dos cigarros convencionais. Isso pelo menos até que os fabricantes "mostrem provas científicas convincentes".   

Outra recomendação é de que a venda desses cigarros seja proibida para o mesmo público que hoje já não pode comprar cigarros convencionais. 

No início do ano, o Parlamento Europeu aprovou uma lei sobre o cigarro eletrônico e deu duas opções aos vendedores. Se quiserem tratar o produto como uma ajuda para deixar de fumar, precisam inscrevê-lo como um produto médico, o que exige passar por dezenas de testes e ainda impede sua publicidade. A segunda opção foi de registrar o produto como um cigarro, o que foi a escolha do setor. 

Mais conteúdo sobre:
OMScigarros eletrônicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.