Circuncisão não protege gays contra aids, diz estudo

A circuncisão 'não é considerada benéfica' contra a disseminação do HIV entre homossexuais

Associated Press,

25 Agosto 2009 | 19h05

A circuncisão, que tem ajudado a evitar aids entre homens heterossexuais na África, não protege os gays do vírus, de acordo com o maior estudo já realizado nos Estados Unidos sobre o tema.  A pesquisa, apresentada numa conferência nesta terça-feira, 25, deverá influenciar o governo americano.

 

Botsuana quer circuncidar meio milhão para combater Aids

Circuncisão reduz risco de aids em heterossexuais, diz pesquisa

 

A circuncisão "não é considerada benéfica" na contenção da disseminação do HIV por meio do sexo homossexual, disse Peter Kilmax, dos centros para Prevenção e Controle de Doenças (CDC) do governo dos EUA.

 

No entanto, o CDC ainda estuda a possibilidade de recomendar o procedimento a outros grupos, incluindo bebês e homens heterossexuais de alto risco.

 

A Unaids e outros grupos internacionais defendem a circuncisão, ou a eliminação do prepúcio, como uma importante estratégia para reduzir a disseminação do vírus HIV.

Mais conteúdo sobre:
aidshivcircuncisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.