Cirurgia reproduz sensação de toque em amputados

Reimplante de nervos faz paciente sentir a temperatura, pressão e toque no membro perdido

BBC Brasil, BBC

27 de novembro de 2007 | 09h55

Um estudo realizado no Insituto de Reabilitação de Chicago (RIC, na sigla em inglês), divulgado nesta terça-feira, aponta que pacientes que tiveram os braços amputados e usam próteses biônicas poderão reproduzir as sensações de toque através de uma cirurgia. Especialistas do RIC observaram dois pacientes que sofreram a cirurgia, conhecida como reinervação muscular dirigida. O procedimento redireciona os nervos do membro amputado e os conecta a músculos sadios do tórax. O estudo observou os pacientes cinco meses depois da cirurgia, período que os nervos já estão adaptados ao tecido muscular do peito, e concluiu que eles conseguem sentir pressão e dor e distinguir entre temperaturas quentes e frias nas próteses, quando tocados na região do tórax onde os nervos foram conectados. Segundo a pesquisa, publicada na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, o próximo passo será conseguir que as sensações venham diretamente dos dedos protéticos até os nervos do tórax. Os especialistas de Chicago, liderados pelo médico Todd Kukien, realizam várias pesquisas para aperfeiçoar a integração da prótese com o corpo humano em pacientes que sofreram amputações. Em 2005, a equipe do RIC lançou o Braço Biônico, prótese com seis motores controlada por impulsos emitidos pelo cérebro. Jesse Sulivan, 60, e Claudia Mitchell, 27, foram os primeiros pacientes a receber o implante. Eles conseguem executar tarefas impossíveis em próteses comuns, como tirar um cartão de crédito da carteira, empilhar copos, descascar bananas e cortar alimentos. Na nova fase do estudo, os especialistas instalaram uma sonda com pontas de algodão no peito dos pacientes e conseguiram mapear as regiões relacionadas do tórax e das próteses. Desta forma, os médicos conseguem identificar com precisão que áreas do tórax precisam ser pressionadas para que o paciente sinta o pulso, a palma e o dorso das mãos ou os braços. Segundo a pesquisa, os pacientes conseguem distinguir entre o toque no tórax e na prótese, apesar de ainda terem dificuldade de distinguir a diferença das sensações - pressão ou formigamento, por exemplo. Os médicos apontam ainda que os caminhos sensoriais permanecem intactos mesmo depois de muito tempo sem uso. "Nos dois pacientes, os nervos que ligam os membros que foram amputados não eram usados há mais de um ano", afirmam os especialistas. A equipe do RIC espera que as próteses que reproduzem a sensação do toque estejam disponíveis em larga escala em aproximadamente dois ou quatro anos.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.