AMANDA PEROBELLI/REUTERS – 12/1/2021
AMANDA PEROBELLI/REUTERS – 12/1/2021

Clínicas privadas de SP preveem vacina contra a gripe neste mês

Governo também avalia antecipar início da campanha para grupos prioritários, como idosos e gestantes; vírus causou surto no fim do ano

Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

07 de março de 2022 | 05h00

Clínicas particulares de São Paulo pretendem começar até o fim de março a campanha da gripe de 2022. Algumas unidades já fazem agendamento para o início da aplicação domiciliar a partir do dia 25. Na rede pública, a campanha costuma ser a partir de abril, mas o Ministério da Saúde estuda antecipar. Os novos imunizantes são adaptados à cepa Darwin do vírus, que causou um surto de casos no Brasil no fim do ano passado.

Em nota, o ministério informou já ter contratado 80 milhões de doses de vacinas junto ao Instituto Butantan. Há dez dias, o órgão paulista antecipou a entrega do 1.º lote de imunizantes contra a influenza (gripe) deste ano, com 2 milhões de doses.

A vacinação na rede pública tem por objetivo imunizar os grupos de mais risco, entre eles, idosos acima de 60 anos, crianças menores de 6 anos, gestantes, puérperas, pessoas com comorbidades, indígenas, profissionais da saúde e da educação, entre outros. Cerca de 70% dos óbitos pela doença são nesses grupos.

A campanha nacional contará com 80 milhões de doses, das quais metade será entregue até o fim de março. O restante deve ser entregue até o fim de abril, conforme o Butantan. Como o imunizante foi atualizado para a nova cepa, os médicos recomendam que mesmo quem tomou a vacina no final de 2021 procure um posto de saúde ou clínica.

A clínica Vaccin já está enviando aos pacientes informações para o agendamento domiciliar. As aplicações vão começar a partir de 25 de março. Para pagamento antecipado, o valor da dose sai por R$ 100. Após a chegada da vacina, o custo da aplicação deve variar entre R$ 130 e R$ 160.

A Dasa, rede de saúde integrada, que reúne mais de 900 unidades em todo o Brasil, planeja iniciar a campanha contra a gripe este ano entre março e abril. Assim que for iniciada, o interessado poderá ir até uma unidade ou agendar a aplicação domiciliar.

O CDB também pretende iniciar a campanha de vacinação contra a gripe entre o fim de março e começo de abril. Conforme o laboratório, será possível agendar aplicação domiciliar, assim como comparecer à unidade da Avenida Brasil, no Jardim Paulista, na zona sul da capital paulista – com ou sem agendamento prévio.

Já o Grupo Fleury informa que vai contar com a versão atualizada a partir da inclusão da cepa Darwin, mas ainda não tem data definida para iniciar a prestação de serviço.

“A influenza provoca surtos anuais com picos nos meses de outono e inverno, causando de mil a três mil óbitos e cerca de seis mil casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), uma das formas graves que também se manifesta na covid-19”, afirma Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

No ano passado, a campanha de vacinação contra a influenza começou em abril e se estendeu até setembro por causa da baixa adesão. O balanço foi de 72,1% do público-alvo vacinado, mas a meta do governo federal era ter 90% do grupo prioritário imunizado.

Ainda segundo o Ministério da Saúde, as vacinas contra a covid-19 podem ser administradas de maneira simultânea com os demais imunizantes ou em qualquer intervalo na população acima de 12 anos de idade. Crianças entre 5 e 11 anos de idade deverão aguardar um período de 15 dias entre a vacina do coronavírus e outros imunizantes.

Butantan já testa imunizante único contra influenza e covid

O Instituto Butantan informou na última semana que obteve resultados promissores nos testes preliminares da vacina única contra a gripe e a covid-19. De acordo com o órgão paulista, testes em modelos animais mostraram produção de anticorpos induzida pelo imunizante contra as três cepas da influenza (H1N1, H3N2 e B) e contra o novo coronavírus.

O Butantan acredita que ensaios clínicos em humanos podem ser iniciados em até um ano. Essa etapa é crucial para verificar a segurança e a eficácia do produto.

Segundo o instituto, o projeto de uma nova vacina, conduzido por cientistas brasileiros em parceria com órgãos internacionais, tem o potencial de baratear e elevar a capacidade de produção de vacinas para o Brasil e outros países em desenvolvimento.

O laboratório americano Novavax também corre atrás de um imunizante único. Os testes em humanos foram iniciados em setembro, na Austrália, após resultados promissores dos ensaios pré-clínicos, segundo a farmacêutica. A expectativa é divulgar dados da nova fase de testes neste semestre. A empresa Moderna, também americana, é outra que já anunciou planos de lançar vacina única em 2023.

Tudo o que sabemos sobre:
gripegripe A H1n1vacinavacinação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.