CNBB condena ação do STJ para aborto de fetos anencéfalos

'A Igreja é radical nesse ponto: a vida humana tem que ser garantida sempre', disse secretário-geral da CNBB

Vannildo Mendes, de O Estado de S. Paulo,

21 de agosto de 2008 | 20h43

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota nesta quinta-feira, 21, condenando a ação, em fase de julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), que permite o aborto de fetos anencéfalos (sem cérebro) ou com má formação cerebral crônica. Na nota, aprovada na reunião nacional do Conselho Episcopal Pastoral (Consep), encerrada nesta quinta-feira, 21, a CNBB alega a ninguém, além de Deus, é dado o direito de decidir sobre a vida.  A ação a ser julgada é uma Arguição de Descumprimento do Preceito Fundamental n. 54, cujo objetivo seria a legalizar o aborto de fetos "anencefálicos", medida rejeitada no Congresso. "A igreja é radical nesse ponto: a vida humana tem que ser garantida em qualquer circunstância, não importa se (o recém-nascido) vai viver muitos anos, meses ou apenas algumas horas", disse o secretário-geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa. Na nota, a CNBB reafirma a posição história da Igreja Católica em defesa da vida. "Nenhuma legislação jamais poderá tornar lícito um ato que é intrinsecamente ilícito", diz. Conforme o documento, diante da ética "que proíbe a eliminação de um ser humano inocente", não se pode aceitar exceções. "Os fetos anencefálicos não são descartáveis", conclui.

Tudo o que sabemos sobre:
CNBBanencéfalosSTJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.