RAPHAEL ALVES/ EFE
RAPHAEL ALVES/ EFE

Com 85% de ocupação em UTI, Amazonas libera shoppings, salões e até academias

Estado ainda tem mais de 2,2 mil internados para síndrome respiratória aguda, mas já voltou a ter aglomerações

Bruno Tadeu, especial para o Estadão

05 de março de 2021 | 19h10

Manaus - Mesmo com 85% dos leitos de UTI para covid-19 ocupados, o Governo do Amazonas liberou a abertura de lojas, salões de beleza, academias e transporte intermunicipal, além de deixar facultativo o retorno das aulas em escolas privadas na educação infantil a partir da próxima segunda-feira, 8. As medidas mantêm a tendência de reaberturas comerciais no Estado, o que tem provocado retorno das aglomerações.

O anúncio da nova flexibilização ocorreu na tarde desta sexta-feira, 5, um dia após o último boletim epidemiológico da Fundação de Vigilância Sanitária registrar mais de 2,2 mil pacientes internados por síndrome respiratória aguda, sendo 1.034 casos confirmados de covid-19. Em janeiro, Estado viveu colapso após a falta de oxigênio hospitalar, o que fez pacientes morrerem asfixiados. 

Segundo dados apresentados pelo próprio diretor-presidente da FVS-AM, Cristiano Fernandes, o Amazonas segue acima da média nacional de casos e em primeiro lugar no ranking de mortalidade. “A tendência no Brasil é ampliar esses índices, por conta do aumento do número de óbitos observados nos últimos dias”, estimou Fernandes.

Até quinta-feira, 4, o Estado contabilizava 11.087 óbitos e 318.948 casos da doença. Após rígido toque de recolher que durou até o início de fevereiro e com o início da vacinação dos grupos prioritários, o Estado teve redução de 18% nos casos e de 54% nos óbitos pela covid-19 nos últimos 14 dias.

Conforme os índices apontaram quedas, o governo passou a flexibilizar atividades comerciais, o que tem reduzido o isolamento social, principalmente em Manaus. O reflexo do afrouxamento das restrições foi perceptível em análise de pesquisadores do projeto Atlas ODS Amazonas, que apontaram redução do índice de isolamento de 56%, no fim de janeiro, para 47% na última semana de fevereiro.

As atividades comerciais permitidas acompanham serviços não essenciais, como aberturas de academias, que podem funcionar com 50% de capacidade, e shoppings, que poderão abrir com ocupação limitada a 50% no interior do estabelecimento e 70% nos estacionamentos. Ambos já estavam autorizados na semana anterior. “Nosso desafio é encontrar um equilíbrio. De um lado, estamos trabalhando para ampliar nossa rede de atendimento e, por outro, entendendo a necessidade que temos de ter o mínimo de atividades econômicas”, defendeu o governador Wilson Lima.

A crise que colapsou o sistema de saúde em Manaus demandou a transferência de 542 pacientes para outros Estados, entre janeiro e fevereiro. Mesmo com ocupação de 79% dos leitos clínicos não-covid-19 e 85% dos leitos UTI para covid-19, o diretor da FVS mostrou otimismo. “Esperamos ser capazes de atender pacientes de outros estados, mostrando a nossa gratidão aos estados irmãos que nos ajudaram”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.