DANIEL GALBER/UAI FOTO
DANIEL GALBER/UAI FOTO

Com 87% das UTIs públicas ocupadas, Ceará enfrenta dificuldades em cumprir lockdown

Mais de 2.600 ocorrências por descumprir isolamento social rígido foram registradas até segunda-feira

Lôrrane Mendonça, especial para O Estado

26 de maio de 2020 | 11h00

FORTALEZA - No último dia 20 de maio, a aposentada Rosa Carlos de Araújo, de 83 anos, deu entrada no Hospital Gonzaguinha de Maranguape, na Região Metropolitana de Fortaleza, com dores na barriga devido a uma hérnia. No dia seguinte, a idosa precisou de oxigênio e, sem melhoras, passou a fazer o tratamento recomendado para o novo coronavírus. Mesmo com muita falta de ar e a necessidade de ser entubada, dois testes rápidos deram negativo para covid-19. No entanto, dona Rosa precisava de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). 

A neta, Ingrid Araújo da Silva, relata a dificuldade que enfrentou na unidade hospitalar. “Só ouvia falar que não tinha vaga para a minha avó e corri para pedir ajuda nas redes sociais, porque eu não sabia mais o que fazer. Até que apareceu um anjo, advogado, que pediu a liminar para conseguir a vaga de UTI e só assim conseguimos", rememorou a neta de 26 anos. "Às 3 horas da madrugada de hoje (segunda-feira, 25), solicitaram uma ambulância com UTI para transferir minha avó, mas ela não resistiu. O pior é que até agora esse SAMU não chegou. A funerária vai chegar antes da ambulância”. 

No Ceará, os hospitais públicos estão com uma média de 87,83% de ocupação dos leitos de UTI, com 91% sendo ocupados por adultos. Nas enfermarias, há 71,75% dos leitos ocupados. Na rede privada de saúde, a situação é ainda mais grave. 93,7% das UTIs e 86,43% das enfermarias estão sem vagas.

O Estadão questionou a Secretaria de Saúde do Estado sobre a quantidade de pacientes que estão à espera de uma vaga para internação em Unidades de Terapia Intensiva, mas não obteve retorno. 

Lockdown

Mesmo com a crise no sistema de saúde, a capital cearense ainda encontra dificuldades em se fazer cumprir a determinação de lockdown, medida adotada pelo governador Camilo Santana (PT) no dia 7 de maio. 

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSPDS), só em Fortaleza, desde o início da determinação de isolamento social rígido até a manhã desta segunda-feira, 25, órgãos de segurança, trânsito e fiscalização estaduais e municipais atenderam 2.633 ocorrências.

Foram 1.766 chamados atendidos por aglomeração de pessoas, 702 referentes a comércios abertos e 165 ocorrências atendidas por descumprimento do uso da máscara de proteção, que é obrigatório. 

A  pasta informa, também durante esse período, que 169.383 veículos foram abordados nas barreiras fixas montadas nas entradas e saídas de Fortaleza, além das blitze móveis que atuam em ruas e avenidas da capital cearense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.