Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Com anúncio da Pfizer, governo tenta reagir a movimento dos governadores; leia análise

Ação de gestores estaduais causou desconforto no Planalto; escolha de Guedes para anúncio é sinalização para o mercado

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

08 de março de 2021 | 16h30

A participação de Jair Bolsonaro na reunião desta segunda-feira, 8, com a Pfizer para a compra de vacinas já foi uma reação à movimentação dos governadores de organizarem um pacto nacional para fazerem o combate à pandemia do coronavírus. A mobilização dos governadores causou desconforto no Planalto e foi interpretada como uma tentativa de enfraquecimento político da autoridade de Bolsonaro.

Com os números cada vez maiores de mortes e de casos da doença, integrantes do governo reconhecem que houve grande desgaste político. O plano, agora, é estancar essa crise o mais rápido possível e retomar o pé nessa discussão com a ampliação da aquisição de mais vacinas.

Dentro dessa estratégia, foi por isso que não apenas o presidente participou da reunião com o CEO da Pfizer, Alberto Boula, feita através de videoconferência. Também foram chamados os dois principais nomes da economia, o ministro Paulo Guedes e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Guedes foi escalado pelo presidente para anunciar os resultados da reunião, onde ficou acertado o adiantamento pela Pfizer de mais 5 milhões de doses da vacina para maio e junho, totalizando 14 milhões.

A escolha de Guedes para fazer o anúncio foi decidida para sinalizar ao mercado que está havendo uma mobilização do governo para evitar que a atividade econômica sinta em demasia os efeitos da pandemia. Tanto que o ministro fez questão de afirmar que a vacinação em massa é a saída para que o Brasil supere essa crise.

Na prática, o governo decidiu fazer uma freada de arrumação para evitar que o movimento dos governadores prejudicasse ainda mais sua imagem. Isso não significa que a beligerância entre os dois grupos vai acabar. Pelo contrário. A avaliação dos bolsonaristas é que, a despeito da questão da saúde pública, a disputa eleitoral de 2022 também é parte integral dessa crise.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.