FOTO TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO
FOTO TIAGO QUEIROZ / ESTADÃO

Com escassez de doses, estudantes da área da saúde estão em campo sem vacina contra covid

Mesmo com determinações que enquadram estudantes nos grupos prioritários da saúde, alunos não conseguem ser imunizados; Secretarias Municipal e Estadual da Saúde de São Paulo alegam falta de doses

Victoria Netto, O Estado de S.Paulo

03 de maio de 2021 | 15h00

SÃO PAULO - Estudantes de diferentes áreas da saúde incluídos no grupo prioritário do Plano Nacional de Imunização (PNI) não estão recebendo a vacina contra a covid-19 em São Paulo. Mesmo com um ofício do Ministério da Saúde e com uma normativa do governo do Estado que preveem a vacinação para os profissionais em formação, a falta de doses não garante uma imunização uniforme, e muitos alunos estão em campo sem vacina

Embora não haja um número consolidado dos estudantes que já foram vacinados, Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) admitem dificuldades no acesso ao imunizante e afirmam que pressionam autoridades para que a oferta priorize “acadêmicos em saúde e estudantes da área técnica em saúde em estágio hospitalar, atenção básica, clínicas e laboratórios” com vínculo ativo com o serviço de saúde, como estabelece o governo federal. 

A estudante Carolina Conde, de 29 anos, aluna do quarto ano de enfermagem da USP, tentou se vacinar em duas UBS’s na região de Artur Alvim, na zona leste da capital. Levou a declaração da Escola de Enfermagem atestando que está em atividade prática. “Mas nas duas nem tive a chance de mostrar a declaração, falam que é só para pessoas (da saúde) acima de 47 anos e que eu preciso tentar me vacinar pela faculdade”, conta. 

Ao Estadão, a USP afirmou que não tem acesso direto às vacinas e que, em cada campus, segue-se o protocolo do respectivo município. A prioridade das vacinas também não é definida pela universidade. “A USP, por meio da Reitoria, tem esclarecido à Secretaria Estadual da Saúde e às Secretarias Municipais as atividades que nossos alunos desenvolvem e a necessidade de estarem inoculados”, informou a assessoria. 

A reportagem apurou, no entanto, que dos graduandos da USP, só os alunos da Faculdade de Medicina na etapa final da formação — aqueles do quinto e sexto anos do curso Médico e do quinto ano de Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional — foram vacinados contra a covid-19.

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) disse que São Paulo já solicitou maiores repasses ao governo estadual para contemplar todo o grupo de profissionais de saúde que moram no município, incluindo estudantes e professores da área. Segundo a pasta, a imunização na capital avança “conforme as doses da vacina contra a covid-19 são repassadas para o município por meio do Governo do Estado”. 

Em resposta, a Secretaria Estadual da Saúde informou que os repasses ocorrem na medida em que o governo federal libera mais doses e que, uma vez que a distribuição para os municípios é feita, a estratégia de vacinação cabe a cada prefeitura. 

"O Plano Estadual de Imunização (PEI) esclarece que trabalhadores de saúde que estão atuando em serviços de saúde já foram ou podem ser vacinados contra covid-19, sendo crucial que o Ministério da Saúde envie mais doses para continuidade e ampliação da campanha, inclusive com inclusão de novos públicos", afirmou a assessoria em nota.

Ainda de acordo com a secretaria, "os estagiários precisam comprovar vínculo com o serviço de saúde em que atuam e buscar orientações com os municípios onde residem e trabalham, uma vez que as prefeituras são responsáveis por organizar as estratégias de vacinação".

Vacinação desigual

Em São Paulo, a imunização de estudantes muda conforme a região do Estado e tem maior defasagem na capital, onde a demanda é maior e ainda não há um detalhamento com critérios de prioridade para esse público. Em algumas cidades, parte dos estudantes recebe o mesmo tratamento de profissionais já formados — em muitos casos, a carga horária e perfil de trabalho é semelhante — e é vacinada nas unidades em que atuam. Alguns têm preferência pelo seu nível de exposição ao coronavírus e outros são imunizados com doses remanescentes do final do dia. 

Foi o caso da Marina Caravante, de 20 anos, aluna do terceiro ano de enfermagem da USP. Depois de receber negativas em três UBS’s, a estudante, que atua em um dos drive-thrus da campanha de vacinação da cidade de Mogi das Cruzes, só conseguiu se vacinar com dose sobressalente. “Na própria campanha foi difícil conseguir porque não tinham doses para os profissionais, só tomei porque sobrou frasco aberto no final do dia”, relata.

Já na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), campus São Paulo, os alunos conseguiram se vacinar pelo hospital universitário e pela Escola Paulista de Enfermagem (EPA) no começo da campanha de imunização. “Eu já tomei as duas doses, eles começaram distribuindo a Oxford/AstraZeneca, depois a Coronavac”, conta a estudante de fonoaudiologia Vitória de Souza Dias, de 20 anos.

Medo de voltar a campo

Com doses insuficientes, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) criou o próprio sistema e priorizou os estudantes por grau de exposição em hospitais. Assim, graduandos do quinto e do sexto ano de Medicina que estão em internato, do quinto ano de enfermagem e do quarto ano de Fonoaudiologia foram os primeiros a receber o imunizante.

A instituição, entretanto, não conseguiu vacinar acadêmicos de outros anos que já têm atividades com pacientes em postos de saúde. Desde 2020, as atividades práticas para alunos em anos iniciais haviam sido suspensas, mas serão retomadas a partir de 3 de maio. Para quem vai retornar à prática sem o imunizante contra a covid, o cenário é de preocupação.

“Voltaremos para os campos de prática sem estar imunizados e não temos qualquer previsão de quando tomaremos a primeira dose. Os estudantes precisam se expor para receber a vacina?”, questiona a estudante Rafaela Bussi, que mora em Jundiaí e está no quarto ano de enfermagem da Unicamp, em Campinas. 

De acordo com Maurício Etchebehere, professor da Faculdade de Ciências Médicas e assessor da Diretoria Executiva da Área da Saúde da Unicamp, o retorno a campo divide opiniões na direção da universidade e há pressão para que os estágios sigam suspensos. “Seria algo muito grave se um estudante nosso ficasse doente dentro dos nossos hospitais sem estar vacinado. Preferimos que haja um prejuízo no ensino a ter algum aluno doente”, afirma Etchebehere.

A Secretaria Municipal da Saúde de Campinas informou que a vacinação dos demais estudantes da área da saúde está em fase de planejamento. A prioridade será dada a quem estiver na assistência direta a pacientes. Segundo a pasta, serão abrangidos alunos de cursos de graduação e técnicos "que fazem estágio intra-hospitalar e em outros serviços da saúde, assim como os de odontologia clínica". 

A Secretaria também afirmou que vai organizar a vacinação junto às faculdades, que devem informar o número de alunos e os cursos daqueles que precisam ser imunizados. "A Prefeitura tem um compromisso de ser parceira das Instituições de Ensino. Entende seu papel na formação de recursos humanos na área da saúde e está atendendo às solicitações das faculdades e estudantes com relação à vacina e quanto à abertura dos campos de estágio para os alunos que têm necessidade de se formar", disse em nota.

No campus Botucatu da Universidade Estadual Paulista (Unesp), a 238 km da capital, a situação se repete — apenas estudantes dos últimos anos de Medicina e Enfermagem foram vacinados. “Temos pressionado as autoridades por mais vacinas, mas é difícil”, diz a vice-diretora da Faculdade de Medicina, Jacqueline Caramori. 

Mesmo com a expectativa de vacinação de toda a população acima de 18 anos na cidade de Botucatu por meio do estudo da Universidade de Oxford e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), anunciado na quarta-feira, 28, a Unesp vai seguir insistindo na liberação de doses. “A vacinação em massa vai incluir os alunos, mas não há previsão de começo do estudo, e ter estudantes em prática sem a vacina é angustiante”, enfatiza Jacqueline.

A falta do imunizante também aflige graduandos de outros cursos da Unesp que já estão em campo sem vacina, como os do último ano da faculdade de Nutrição. Eles encaminharam uma carta à diretoria do Instituto de Biociências e à Secretaria Municipal de Saúde pedindo a vacinação dos alunos do quinto ano que atendem pacientes diariamente em clínica. Como não há doses suficientes, eles e outros estudantes seguem sem proteção contra a covid-19 e sem previsão de quando isso ocorrerá.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.