Eduardo Valente/Framephoto
Eduardo Valente/Framephoto

Com flexibilização, movimento aumenta em Florianópolis e supermercados medem temperatura

Afrouxamento das regras de isolamento ocorreu uma semana após o governador do estado, Carlos Moisés, anunciar a liberação de alguns setores

Fábio Bispo, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2020 | 22h00

FLORIANÓPOLIS - Após os anúncios da última semana, que flexibilizaram as regras de isolamento social por causa do novo coronavírus e autorizaram a reabertura do comércio de rua, shoppings, academias e até igrejas em Florianópolis, a cidade tem registrado um aumento significativo de pessoas nas ruas.  Por outro lado, nesta segunda-feira, 27, por força de decreto municipal, todos os supermercados passaram a medir a temperatura dos clientes na entrada dos estabelecimentos.

Desde o início da pandemia, pelo menos dois supermercados já foram interditados para desinfecção após constatação de grande número de infectados nas lojas. Em uma unidade da rede Fort Atacadista, 187 funcionários foram afastados após sete trabalhadores testarem positivo para a covid-19. Segundo a rede de supermercados, o afastamento se deu por orientação da Vigilância Sanitária do município.

Nas ruas, muitos justificam a quebra do isolamento para necessidades, como ir ao mercado e fazer compras essenciais, outros dizem sentir necessidade de sair de casa, especialmente os que vivem no centro. "Eu moro em um apartamento minúsculo, eu saio para ir na praça, para sair um pouco de casa', afirmou o funcionário público José Carlos Thorm, 47 anos.

Ao Estado, o município informou que as regras de flexibilização podem ser revistas de acordo com a evolução da doença. Segundo o chefe de gabinete do prefeito Gean Loureiro (DEM), Bruno Oliveira, a cidade tem realizado testes em massa, o que tem permitido o município analisar melhor a linha de tendência da pandemia. "A grande maioria das cidades brasileiras só testa quem chega no hospital, daí eles só conseguem saber de tendências quando é tarde", afirmou Oliveira.

A capital catarinense tem o maior número de infectados do Estado, com 378 casos confirmados e cinco mortes. O afrouxamento das regras de isolamento em Florianópolis ocorreu uma semana após o governador do estado, Carlos Moisés (PSL) anunciar a liberação de alguns setores.

Santa Catarina também tem o maior número absoluto de casos entre os estados do sul do país, com 1.337 casos confirmados e 43 mortes. A medidas de flexibilização começaram a valer na semana passada, mas em Florianópolis alguns setores só foram autorizados na quinta-feira, 23. 

Ao anunciar a flexibilização da quarentena no estado, o governador Moisés argumentou baixa taxa de ocupação das UTIs reservadas para pacientes do novo coronavírus. Em todo o território catarinense, a taxa de ocupação dos leitos para covid-19 nesta segunda-feira era de 17%. 

Em Florianópolis esse índice é de 37%. No Hospital Celso Ramos, que tem o maior número de internados pela doença na cidade, 78% dos 14 leitos estão ocupados.

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE O CORONAVÍRUS

Por que o surto de coronavírus começou na China?

Não tenho carteira de trabalho e quero receber o auxílio emergencial. O que eu faço?

Qual é o efeito do coronavírus no corpo?

Coronavírus: quais os riscos para gestantes, lactantes e recém-nascidos?

Como diferenciar coronavírus e alergias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.