Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Com isolamento baixo, cidades do interior de SP endurecem medidas para conter o coronavírus

Mulher foi detida nesta segunda-feira, em Araraquara, por ficar em uma praça da cidade

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2020 | 19h12

SOROCABA - Com índice de isolamento social de 48%, a prefeitura de Araraquara, interior de São Paulo, decidiu endurecer as medidas de contenção ao coronavírus. Agora, quem favorece aglomeração pode ser preso e o estabelecimento comercial que descumprir a quarentena terá multa e cassação do alvará.

Na manhã desta segunda-feira, 13, uma mulher de 44 anos foi detida pela Guarda Municipal quando fazia caminhada em uma praça da Vila Harmonia. Conforme a GM, ela insistiu em ficar na praça, resistiu à abordagem e foi levada para o plantão da Polícia Civil. A mulher foi liberada na presença de um advogado, mas responderá por infração de medida sanitária preventiva.

Em São Vicente, a cidade com melhor índice de isolamento fora da região metropolitana de São Paulo no último sábado, quatro surfistas já foram detidos por desrespeito à quarentena - o caso mais recente foi neste fim de semana.

O sistema de monitoramento do governo de São Paulo analisa os dados de telefonia móvel para indicar tendências de deslocamento e apontar a eficiência das medidas de isolamento social. As informações permitem detectar as cidades e regiões onde o deslocamento de pessoas é maior e as medidas de adesão à quarentena, que vigora até o próximo dia 22 em todo o Estado, precisam ser intensificadas. Desde a semana passada, são monitoradas 40 cidades paulistas. Neste domingo, 12, o número de cidades monitoradas subiu para 52.

Com 233 mil habitantes e duas mortes confirmadas pelo vírus, Araraquara está entre as cidades do interior com menor índice de respeito ao isolamento social. A prefeitura decidiu endurecer as medidas após registrar o segundo óbito positivo, na manhã desta segunda-feira - a vítima é um paciente de 48 anos sem comorbidades.

Um projeto enviado à Câmara prevê a responsabilização cível e criminal de pessoas e empresas que descumprirem a quarentena. "Há desrespeito, apesar de todos os esforços. Trata-se de um momento extremamente preocupante e reiteramos o pedido de apoio da população", enfatizou a secretária de Saúde, Eliane Mori Honain.

De acordo com o vereador Rafael de Angeli (PSDB), a cidade é um polo econômico, universitário e de lazer. "O que a gente vê é que o povo 'cansou' de ficar em casa e está pagando para ver o que acontece. Quero estar errado, mas infelizmente as pessoas que rompem o isolamento vão aprender pela dor, não pelos cuidados e recomendações."

Ele considera que as medidas mais duras para garantir o isolamento social são acertadas. "As medidas já baixadas pelo governador valem para todo Estado e autorizam o maior rigor que a prefeitura de Araraquara está tomando.”

Aglomeração

Um incêndio que destruiu, na tarde de domingo, 12, grande parte do mercado municipal de Limeira, também no interior, deu uma amostra da dificuldade que as prefeituras enfrentam para manter o isolamento social contra o coronavírus. Centenas de curiosos saíram às ruas, atraídos pela coluna de fumaça que subia do local. A Guarda Civil Municipal e a Polícia Militar isolaram a área, mas a multidão se aglomerou do lado externo das fitas. Na sexta-feira, 10, comerciantes e empresários fizeram uma carreata pela reabertura do comércio.

A cidade de 306 mil habitantes manteve índice de isolamento médio de 46,4% durante a Semana Santa, o mais baixo entre as cidades monitoradas. O índice foi medido de quarta-feira, 8, a domingo, 12. Na sexta, 10, a prefeitura decidiu permitir que usuários comuns tomassem os ônibus das linhas de emergência, destinados a profissionais da saúde. Foi possível verificar pequenas aglomerações em pontos de embarque. Nesta segunda, o serviço voltou a ser exclusivo de funcionários dos hospitais.

Um decreto prevê multa de até R$ 5 mil para quem descumprir a proibição de abertura do comércio, mas até agora ninguém foi multado. A abordagem aos comerciantes que desrespeitam a quarentena se resume a um trabalho de orientação feito pelos guardas municipais e Polícia Militar. No sábado, a cidade confirmou o primeiro óbito pelo vírus - uma idosa de 77 anos. Há ainda nove casos da covid-19 confirmados e 14 em investigação, além de uma morte suspeita. "O que se espera é o entendimento de todos diante da gravidade desse momento", disse o prefeito Mario Botion (PSD).

Limeira é um dos principais polos de joias folheadas do Brasil, com cerca de 500 empresas de todos os portes. O setor foi fortemente afetado e pressiona o município pelo fim da quarentena. A Associação Comercial e Industrial (Acil) defendeu a antecipação dos prazos e o retorno "gradativo e cuidadoso" das atividades do comércio não essencial. "É necessária a atenção do setor público para que preze pela sobrevivência das empresas, especialmente as de pequeno porte, garantindo a preservação dos empregos", afirmou, em nota.

Mais rigor

As cidades que obtiveram índices mais altos de isolamento não pretendem relaxar as medidas. Em Rio Claro, com índice médio de 56% nos cinco dias, a prefeitura apertou o cerco a comércio que desrespeita a quarentena. A cidade confirmou o segundo óbito, de um paciente idoso, neste domingo, 12. Há ainda 46 casos suspeitos e três mortes em investigação. Para evitar o deslocamento de crianças até a escola, a prefeitura decidiu destinar R$ 60 por mês - preço de uma cesta básica - para alunos da rede municipal de baixa renda.

A prefeitura informou ter apostado na conscientização. Carros de som percorrem as ruas orientando os moradores e guardas municipais fazem abordagens, mas evitam detenções. A fiscalização do comércio não essencial, fechado devido à quarentena, também acontece sem o uso das multas previstas na legislação. A frota de ônibus em circulação foi reduzida em 70%. Para que as pessoas não se dirijam às unidades de saúde sem necessidade, a prefeitura criou um serviço de telemedicina, pelo qual é possível conversar com os médicos da rede municipal.

Cidade com maior índice de isolamento fora da região metropolitana, 61,8% na média do dia 8 ao dia 12, São Vicente, na Baixada Santista, impôs barreiras em seus acessos para impedir a entrada de turistas. "As equipes informam quem chega de fora sobre as restrições adotadas, como interrupção dos serviços de hotelaria, restrição às praias e fechamento do comércio", informou a prefeitura. Agentes da Guarda Civil Municipal fiscalizam as praias e, se houver resistência, fazem detenções. Quatro surfistas já foram detidos e levados ao 1º Distrito da Polícia Civil, sendo autuados por infringir medida destinada a impedir propagação de doença contagiosa.

São Vicente tem 11 casos confirmados e 141 suspeitos da covid-19. Oito mortes estão à espera do resultado de exames. Em toda a cidade, só o comércio essencial funciona, mas é obrigado a dispor de máscaras para os funcionários e álcool em gel para os clientes. A prefeitura liberou atendimento em salões de beleza, barbearia e dentista, mas com hora marcada. "Os fiscais da Secretaria do Comércio estão de olho e, se o estabelecimento não seguir as orientações, recebe advertência e, na reincidência, multa ou cassação do alvará", disse em nota. 

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

 

Tudo o que sabemos sobre:
Araraquara [SP]quarentenacoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.