GABRIELA BILO/ ESTADAO
O padre Jonathan Costa fez ontem a narração da Paixão de Jesus Cristo no Santuário da Igreja Dom Bosco, em Brasília, diante de dezenas de fotos de fiéis GABRIELA BILO/ ESTADAO

Com missas online em tempos de coronavírus, padres veem aumento de fiéis

Padres e até o papa Francisco falam com seu párocos pelos meios de comunicação

Edison Veiga, Especial para O Estado

11 de abril de 2020 | 05h00

A missa dominical agora é vista pelo celular, muitas vezes ainda de pijamas. Em tempos de quarentena, os católicos precisaram reinventar a forma de participar de um dos mais importantes preceitos de fé, justamente aquele que dá um sentido de comunidade, de unidade, de comunhão: a celebração eucarística.

No coração da Itália, um dos países mais afetados pela pandemia, o Vaticano deu o exemplo. No mês passado, a Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos publicou dois decretos na qual reconhece de maneira especial as missas online neste período de isolamento social. A preocupação maior era com as celebrações da Semana Santa, tradicionalmente importantes para a fé católica. O resultado foi sintetizado pelo próprio papa, na já histórica imagem de sua celebração, solitário em uma tarde chuvosa, na Praça São Pedro, no último dia 27. A praça, completamente vazia. Mas acompanhado pelo mundo todo.

"Foi a maior audiência papal de todos os tempos", disse ao Estado o padre Lucas Gobbo, reitor da Casa de Formação São Caetano e vigário da Paróquia de São Geraldo, em Guarulhos. "Um grande gesto de humildade deste homem humano, papa Francisco, que quis de forma extraordinária dar essa bênção de Roma para o mundo. Não de uma praça fisicamente vazia como estava. Mas com certeza com todas as pessoas que naquele momento estavam acompanhando pelos meios de comunicação e que, se nos juntássemos, não iriam caber naquela praça, que seria pequena. A mídia tem nos ajudado muito."

Conforme explica à reportagem o padre Denilson Geraldo, especialista em direito canônico e diretor do Instituto San Vincenzo Pallotti, de Roma, os dois decretos do Vaticano observam "as determinações das autoridades sanitárias de cada lugar, oferecem indicações e sugestões aos bispos e presbíteros para que celebrem a Santa Missa sem a presença do povo de Deus". "Os fiéis serão avisados do horário das celebrações para que se unam em oração da própria casa, a Igreja doméstica. Para tanto podem ser usados os meios de comunicação, por exemplo, a TV, a internet, etc.", explica Geraldo. "É uma situação de emergência sanitária, exigindo das comunidades católicas uma pronta resposta às necessidades de toda a população. Desse modo, as missas continuam sendo celebradas. A Igreja, em comunhão com o sofrimento da humanidade, pede que os fiéis se unam espiritualmente, não fisicamente, durante esse tempo de emergência sanitária."

Ou seja: dá-lhe pacote de dados. Padres ouvidos pelo Estado relatam que perceberam aumento da participação dos fiéis, se comparados com aqueles que habitualmente iam às celebrações fisicamente. "Aqui na paróquia estamos fazendo vários momentos de oração. Estamos celebrando missa todos os dias, no horário habitual, e percebemos até um aumento maior das pessoas que acabam assistindo. Eu diria que de 50% a 70% mais gente acompanhando via 'Live'", relata o padre Bruno Muta Vivas, da Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Pirituba, São Paulo.

"Quem falava, no começo, que a internet era coisa do diabo hoje tem de bater na boca. Imagina um padre hoje, trancado dentro de casa, sem internet, como ia se comunicar com seus paroquianos? Por sinal de fumaça?", comentou ao Estado o padre Eugênio Ferreira de Lima da Paróquia Cristo Rei, de Ipatinga. "Como diria minha mãe, 'benzadeus' que deu inteligência aos homens e às mulheres para desenvolverem esse sistema que, para quem não entende muito, parece mágica."

Lima montou um oratório em seu quarto e é de lá que celebra as missas diárias transmitidas via Facebook. "E da capelinha que eu montei, só tenho a agradecer a Deus por essa ferramenta tão criticada por falsos moralistas. Sigo celebrando missas e centenas e centenas de pessoas de vários lugares estão assistindo."

"Noto um aumento significativo da participação das pessoas nas missas. Vejo 150, 160 pessoas online e sabemos que muitos assistem com os filhos, com os pais, então esse número é bem maior", diz ao Estado o padre Pedro Luiz Amorim Pereira, pároco na Igreja da Imaculada Conceição, no bairro do Ipiranga, em São Paulo. "Meu pai não conseguia participar da minha missa porque mora distante, agora ele tem um Facebook só para ver a 'missa do filho'. É isso."

"O número de pessoas que assistem à missa online está sendo maior do que o daquelas que assistiam presencialmente", afirma à reportagem o padre Michelino Roberto, pároco da Nossa Senhora do Brasil, nos Jardins, em São Paulo e diretor do jornal O São Paulo.

Validade

Telemissas não são novidade destes tempos esquisitos. Que o diga Padre Marcelo Rossi e suas celebrações transmitidas todos os domingos pela Rede Globo. Que o digam as emissoras católicas como Rede Vida e TV Canção Nova. "A primeira missa transmitida para a cidade do Rio de Janeiro aconteceu em 1963. Cinco anos mais tarde, houve a primeira transmissão para todo o território nacional", contextualiza Gobbo. "É claro que por conta da pandemia de covid-19, estas realidade estão mais evidentes, seja pela televisão, seja pelo rádio, seja pelas redes sociais."

A regra é clara, explicam os religiosos. A Igreja dispensa a exigência do comparecimento à missa semanal aqueles que estão impossibilitados. "O que houve (no caso dos decretos atuais) foi a aplicação de uma regra que já existe", pontua Roberto. "Como pode o católico santificar o domingo quando ele está fisicamente impedido de ir à igreja? É o caso que vivemos, ou seja, o coronavírus impôs a precaução do isolamento social, que é necessário, por isso os fiéis não podem vir, estão fisicamente impedidos de participar presencialmente da santa missa. Nestas condições, o direito canônico permite santificar o domingo de casa, não necessariamente assistindo à missa pela TV ou por outros meios, mas pode optar por rezar o terço em família ou fazer um momento mais profundo de oração."

"A Igreja já permitia que os doentes impossibilitados de se deslocar substituíssem a missa presencial pela televisionada, acompanhada pela comunhão levada a eles por um ministro da eucaristia ou sacerdote. Nesse sentido, a inovação não é tão grande assim", acredita o sociólogo Francisco Borba Ribeiro Neto, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). "A recepção física do sacramento, seja a comunhão, seja a absolvição dos pecados, é um elemento importante da mística católica, um fator que a diferencia dos protestantes. Nesse sentido, não creio que a missa televisionada irá mudar substancialmente a prática litúrgica católica, terminada a pandemia."

Pereira lembra que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) vem produzindo orientações sobre missas televisionadas desde os anos 1980. "Entende-se que é um bem, no sentido de que consegue possibilitar que pessoas que não têm nenhuma chance de participar da santa missa o façam, vejam a missa celebrada por um sacerdote”, enfatiza ele. “Embora ela não esteja junto da comunidade e não receba a sagrada comunhão verdadeiramente, trata-se de algo visto como muito válido."

"Estamos em um retorno à igreja primitiva, a igreja doméstica: rezar em nossas casas, com nossas família, em comunhão com todas as outras casas do mundo. Isso é importante. Façamos uma comunhão espiritual”, afirma ao Estado frei Reginaldo Roberto Luiz, conselheiro da Ordem dos Padres Mercedários em Roma.

Vivas ressalta que, "embora a telemissa tenha muito valor, ela não substitui, de forma alguma, a presença física". "Da mesma forma que uma reunião festiva via Skype vale muito, mas não é a mesma coisa que estar presencialmente em uma festa, ou mandar um beijo via Skype tem valor ridiculamente pequeno se comparado a dar um beijo em sua esposa fisicamente presente. Ainda que tenha muito valor, nada substitui o contato muito íntimo com Deus."

Chefe do departamento de Ciências Sociais da PUC-SP, o teólogo e filósofo Fernando Altemeyer Junior pontua à reportagem que exceções são pertinentes a momentos de dificuldades. "Ir à missa aos domingos é um dos preceitos cristãos há séculos. Mas sempre há atenuantes: guerras, repressão totalitária, pestes, lugares interditados… Dezenas de casos em vários países, bairros ou culturas", afirma. "Hoje, a questão da altíssima taxa de contágio e de mortes exige lucidez e defesa da vida. Afinal, a própria igreja está à serviço da humanidade - e não o inverso."

Altemeyer Junior diz que os novos decretos da Igreja "afrouxam" o preceito. "Temporariamente", ressalta. "O Vaticano reconhece ao católico que ele está participando da mesa da Palavra ativamente e pode e deve mastigar bem o que Deus lhe diz pelas Sagradas Escrituras. Isto é alimento válido." Passada a pandemia, ele entende que tudo volta como era antes. "Em tempos normais, roupas normais."

Lima concorda que a missa online não vai substituir a presencial. "Passado este tempo, é claro. Porque pela internet os fiéis não podem receber a Eucaristia", resume. "Mas também acho que é diferente o que ocorre hoje de simplesmente assistir a uma missa na televisão. Porque essas pessoas que estão ali, na maioria, são pessoas que estariam participando fisicamente de uma missa, se não houvesse a quarentena. Então vamos até ela. Não é que a igreja vai até ela. A igreja é a família. O templo vai até ela. A família é uma igreja doméstica. Estes tempos de coronavírus têm despertado o senso de igreja doméstica."

"Estamos vivendo nossa fé a partir da nossa casa", define Luiz. Para Pereira, o mais importante é que as pessoas entendam a importância da quarentena. "A Igreja Católica está incentivando que os fiéis fiquem em casa, para que a gente evite o pico de contágios. Temos esse cuidado. E precisamos dar um exemplo de responsabilidade", pontua.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Casamentos e batizados estão suspensos durante a pandemia do coronavírus

Religiosos ainda preveem alta demanda por confissões nas igrejas depois da quarentena

Edison Veiga, Especial para O Estado

11 de abril de 2020 | 05h00

Mas se a questão das missas ficou "resolvida" nestes tempos de exceção, como ficam os demais sacramentos? De forma geral, tudo está suspenso. De acordo com o padre Denilson Geraldo, especialista em direito canônico e diretor do Instituto San Vincenzo Pallotti, de Roma, "depende de cada diocese as orientações para os sacramentos do Batismo, Crisma, Matrimônio e Ordem". "Todavia, podemos constatar que dificilmente serão celebrados durante a vigência da pandemia", afirma.

Um dos decretos recentes do Vaticano prevê que, durante esta situação - e com a permissão do bispo da circunscrição - "um sacerdote pode dar a absolvição geral aos penitentes, por exemplo, internados em um hospital por conta do coronavírus", explica Geraldo.

"Estão todos adiados", afirma o teólogo e filósofo Fernando Altemeyer Junior, professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). "Batismo, crisma, matrimônios, ordenações podem esperar o fim da quarentena. Já os dois sacramentos de cura: penitência e unção dos enfermos estão sendo praticados a todo vapor nos lugares mais cruciais onde ocorre a pandemia. Até por isso muitos padres italianos morreram."

O teólogo afirma que, por conta disso, tem havido proposições de "confissão auricular por celular." "Mas será preciso verificar as condições de sigilo e de personificação para evitar fake-pecador, fake-pecados ou até mesmo um fake-padre."

Suspensões

"A orientação do meu bispo é para que não se marque novas celebrações de batizados e casamentos. Os que já estão marcados, que sejam celebrados sem a presença de convidados, apenas com pais e padrinhos, com noivos e testemunhas, podendo esses ser suspensos em comum acordo com os fiéis em questão", conta o padre Lucas Gobbo, reitor da Casa de Formação São Caetano e vigário da Paróquia de São Geraldo, em Guarulhos.

"Eu jamais me recusaria, por exemplo, ao saber que uma pessoa está necessitando da unção dos enfermos, a ir até o local para poder lhe conceder isto. É meu dever enquanto sacerdote. O que precisamos neste momento é nos colocar na consciência daquilo que é urgente e necessário."

Para ele, "sacramentos de emergência, de cura, são essenciais". "Não podemos fechar totalmente (a possibilidade de) que esses sacramentos aconteçam. E que não exigem participação pública", pontua.

"A unção dos enfermos está além de nossa capacidade de controlar. Mas a Igreja supre, pelo decreto recente, entendendo que, ao desejar receber este sacramento, na verdade, a pessoa já está recebendo, neste momento", defende o vaticanista Filipe Domingues, doutor pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. "Casamentos, em último caso, podem ser celebrados em pequenos grupo. Ordenações sacerdotais podem ser feitas sem povo."

Caso emblemático é o da confissão. A Igreja não permite que seja feita de forma remota. Papa Francisco já orientou que, por conta da pandemia "as pessoas possam se confessar, em um primeiro momento, diretamente a Deus - mas que não se esqueça de, assim que possível, procurar um padre", lembra Gobbo.

"É o sacramento mais prejudicado neste momento", avalia Domingues. "Porque exige a presença. Não pode ser feito por redes sociais, por telefone, por Skype. Só o pecador e o padre, sem qualquer mediador ou qualquer interferência. E a Igreja nunca vai mudar isso, eu acho."

"Nesta época, por conta da quaresma, já é grande o número de pessoas que nos procuram para confissões. Depois da quarentena, acho que não vamos dar conta de tantos atendimentos", comenta o padre Eugênio Ferreira de Lima, da paróquia Cristo Rei, de Ipatinga. "Passado este tempo, alguns, que têm uma relação meio doentia com Deus, devem nos procurar por medo. E muitos virão nos procurar por amor ao sacramento."

"O decreto do Vaticano prevê seguir na vida da igreja e voltar a se confessar quando for possível", ressalta Domingues. "Não se confessa enquanto não for possível. Esse é o ponto."

Tudo o que sabemos sobre:
Igreja Católicaquarentenaepidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Rezar pelo Facebook deve continuar comum após pandemia, acreditam especialistas

Mesmo com o fim do isolamento social por causa do coronavírus, parte desse comportamento será mantido

Edison Veiga, Especial para O Estado

11 de abril de 2020 | 05h00

Pároco da Igreja de Cristo Rei, em Ipatinga, padre Eugênio Ferreira de Lima afirmou que foi pego de surpresa com a necessidade de cancelar as missas presenciais. "Não estávamos preparados", admite. "Mas agradeço muito a Deus pelos meios de comunicação que temos hoje."

Aprendeu a mexer com as 'Lives' e desde então faz pelo menos três por dia: uma missa, um terço e um momento de oração. "Não é um bicho de sete cabeças", diz ele, sobre a tecnologia. "Depois de uma meia hora de explicação de algum entendido, qualquer padre consegue fazer. Minhas transmissões podem não ser perfeitas, mas acredito que dá para as pessoas assistirem."

"Aprendi a usar a ferramenta e já decidi: quero, mesmo passado esse tempo de coronavírus, continuar usando para poder me comunicar com os paroquianos. Posso ter um momento para falar com eles, fazer perguntas, coisas que não dá para fazer na igreja na hora da missa", comenta.

Para o vaticanista Filipe Domingues, "isso se difundiu de forma positiva". "Inesperada, mas positiva. Os meios já existiam, mas não havia a necessidade. Agora virou o único meio possível", diz. "Há sempre alguns casos de falhas, tipo aqueles padres que estão aprendendo e erram o filtro do Instagram, né? Mas estão aprendendo. Isso é bem simbólico do momento: se vê que estão tentando mas nunca haviam feito isso antes."

Diretor do jornal O São Paulo e pároco da Nossa Senhora do Brasil, padre Michelino Roberto acredita que "algumas paróquias" devem continuar com as 'Lives' depois da pandemia. "Já há algum tempo tenho o hábito das transmissões online das missas, mas nunca rezei tanto quanto agora", comenta o padre Lucas Gobbo, da paróquia de São Geraldo, em Guarulhos. "É uma experiência nova, de um tempo novo - e precisamos utilizar."

Reorganização

No caso da Paróquia Imaculada Conceição, do bairro do Ipiranga, em São Paulo, padre Pedro Luiz Amorim Pereira conta que houve uma reestruturação das redes sociais. "Foi um momento de desafio. Antes nossas redes sociais eram apenas um mural para recados. Aconteceu isso da pandemia e os leigos tomaram a decisão de abraçar a evangelização via Facebook. Transformaram nossa página em algo que mais parece uma TV católica", diz ele. Na programação, feita por paroquianos e pelo padre, há rezas, encontros de jovens, reflexões - e missas, claro. Mas ele acredita que isso será encerrado depois da quarentena.

O sociólogo Francisco Borba Ribeiro Neto, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), acredita que o momento tem permitido a muitos padres e leigos a descoberta da “força e facilidade da comunicação virtual, antes dominada por algumas poucas ‘estrelas da internet’”. "Acredito que mais padres irão usar, num futuro próximo, as redes sociais e a internet não para substituir suas missas, mas para pregações, catequeses e podcasts com seus seguidores", comenta. "A bênção Urbi et Orbi (dada pelo papa no dia 27, com a praça São Pedro vazia) foi a primeira vez que um gesto tipicamente litúrgico ganhou primeiro plano na comunicação de um papa com toda a população mundial, crente ou não. Isso também terá um peso no uso futuro das novas mídias pela Igreja."

Tudo o que sabemos sobre:
Igreja Católicaquarentenaepidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.