Com novos experimentos, físicos fecham o cerco ao bóson de Higgs

O bóson de Higgs é a última partícula prevista pelo Modelo Padrão e ainda não observada em experimentos

estadao.com.br,

26 Julho 2010 | 13h56

Resultados apresentados por pesquisadores de física de  partículas do Fermilab, nos Estados Unidos, impõem limites estritos à busca pelo bóson de Higgs, a partícula que seria responsável pela massa de toda a matéria do Universo. A descoberta do Higgs é uma das principais metas da ciência moderna e um dos objetivos fundamentais do LHC, o maior acelerador de partículas do mundo.

 

Detectada transformação de neutrino; feito reforça busca de matéria escura

 

LHC funciona 'bem demais' e já avança fronteiras da física, dizem cientistas

 

Experimentos realizados no Fermilab agora excluem  a possibilidade de a partícula de Higgs ter uma massa entre 158 GeV e 175 GeV.

 

As massas das partículas subatômicas são tradicionalmente dadas em unidades de energia, por conta da equivalência entre massa e energia, E=mc2. Para efeito de comparação, a massa do próton corresponde a pouco menos de 1 GeV.

 

Experimentos anteriores e limites impostos pelo Modelo Padrão de Partículas indicam que o Higgs deveria ter uma massa entre 114 GeV e 185 GeV. Os resultados do Fermilab eliminam cerca de 25% da faixa dada como possível em teoria.

 

O bóson de Higgs é a última partícula prevista pelo Modelo Padrão e ainda não observada em experimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.