Com primeira vítima no MS, mortes por H1N1 vão a 380 no País

Com 134 vítimas fatais, São Paulo continua a ser o Estado com maior número de óbitos pela doença no Brasil

Reuters,

18 Agosto 2009 | 16h40

Alunos voltam às aulas com 'beijos e abraços' e tranquilidadeO Mato Grosso do Sul confirmou nesta terça-feira, 18, a primeira morte por gripe H1N1 no Estado, elevando para 380 o total de vítimas pela nova doença no Brasil.

 

A vítima, uma mulher de 24 anos do município de Três Lagoas, faleceu no dia 3 de agosto, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde.

 

A pasta informou que outras seis mortes suspeitas pela nova gripe estão sob investigação no Estado.

 

 

No Rio Grande do Sul, foram oito novas confirmações nesta terça-feira. O Estado soma agora 78 óbitos, segundo dados da Secretaria de Saúde.

 

O Paraná, Estado mais atingido pelo vírus H1N1 no Sul do país, anunciou na noite de segunda-feira 28 novas mortes e contabiliza 107 óbitos.

 

Também na segunda-feira, o Pará teve a primeira vítima pela gripe H1N1 no Estado, em uma mulher de 42 anos, portadora de pneumopatia crônica e asma.

 

Com 134 vítimas fatais, São Paulo é o Estado com maior número de óbitos pela doença no Brasil.

O total de mortes baseia-se nos números informados pelas Secretarias Estaduais de Saúde. O Ministério da Saúde deve divulgar balanço sobre a nova gripe no país na quarta-feira.                                  

 

No município mineiro de Uberlândia, a partida entre o Uberlândia e o Araguaia, pela série D do Campeonato Brasileiro, será realizada com portões fechados nesta terça-feira para evitar a disseminação do vírus H1N1. Este será o primeiro jogo oficial a ser disputado com estádio vazio devido à nova doença.

 

Há duas semanas, uma decisão judicial obrigou a distribuição de máscaras para os torcedores que acompanharam o jogo entre Santos e Coritiba, em Cascavel (PR), pela primeira divisão do Brasileiro.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.