Com quase 2 mil casos, Barretos vai à Justiça para conter dengue

Liminares garantem entrada nas casas onde os agentes são barrados pelos moradores

Rene Moreira, Especial para o Estado,

04 de março de 2013 | 17h54

FRANCA - Barretos vive uma epidemia de dengue com exatos 1.995 casos positivos confirmados somente neste ano. Mas, mesmo assim, muitos moradores se negam a receber os agentes de saúde. Diante disso, a prefeitura tem ido à Justiça e com liminares para entrar nos imóveis. Já foram emitidas seis autorizações do tipo, das quais três já foram cumpridas.

Sem contar os casos confirmados, a cidade contabiliza ainda 3.272 notificações da doença. Para se ter ideia da dimensão desse número, durante todo o ano passado foram 741 casos suspeitos e somente 296 positivos. Por isso o trabalho de fiscalização nos bairros foi ampliado, inclusive, com a contratação emergencial de mais pessoas que analisam se existe água para em quintais, nos vasos, garrafas e outros recipientes.

Quando ocorre a recusa, antes de ir à Justiça o Setor de Controle de Vetores ainda tenta convencer o morador da necessidade de vistoria através do supervisor da área. Mesmo assim, mantido o impedimento, é feito então o caminho jurídico. E, se até mesmo com o oficial de Justiça não for possível entrar no imóvel -talvez até pela ausência do morador, é providenciado o arrombamento e o proprietário pode ser multado em até R$ 100 mil.

A diretora da Vigilância em Saúde de Barretos, Sueli Vieira Martins, lamenta a necessidade de uso da Justiça para enfrentar a dengue. Ela diz ser preciso que os moradores se conscientizem do problema para que a cidade consiga reduzir o número de casos. Atualmente são em média 40 casos suspeitos da doença diariamente e até algumas semanas atrás eram 80. Na cidade, todos os pacientes com suspeita de dengue são encaminhados para o Posto de Saúde Central, que coleta material para que seja realizado o exame capaz de confirmar a contaminação.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
Dengue

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.