Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Com recorde de mortes registradas em 24h, SP passa a marca de 5 mil óbitos por coronavírus

Número de óbitos pela covid-19 é cerca de cinco vezes maior do que há um mês, quando o Estado superava o número de mil vítimas

Tulio Kruse e Mariana Hallal, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2020 | 12h40

As cidades do Estado de São Paulo atingiram um total de 5.147 mortes pelo novo coronavírus nesta terça-feira, dia 19. Foram 324 óbitos confirmados da covid-19 em 24 horas, o que representa aumento de cerca de 7%, e mais de mil mortes em apenas uma semana – na terça anterior, 12 de maio, eram 3.949 óbitos.

São Paulo também superou o recorde de mortes confirmadas em um só dia, que até agora era de 224 registros em 24 horas do dia 28 de abril. A taxa de ocupação de leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) na região metropolitana de São Paulo é de 88%. Em todo o Estado, a média é de 71,4% leitos ocupados. 

Ao informar os números, o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, fez um apelo para que, durante o feriado prolongado marcado para os próximos dias, a população não saia de casa. "O feriado que nós temos pela frente não é um feriado de lazer, é um feriado em casa", disse. "Não é para ir para a praia, não é para ir para os parques - mesmo porque eles estão fechados -, tem de usar a máscara do mesmo jeito." 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Estamos perdendo essa batalha contra o vírus, essa é a realidade. A população terá oportunidade de fazer a sua parte. Os dias que se seguem não são dias de feriado. São dias de luto
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Dimas Covas, coordenador do centro de contingência para coronavírus

O coordenador do centro de contingência para o coronavírus em São Paulo, Dimas Covas, ressaltou que o isolamento da população durante o feriado prolongado é essencial para reverter a tendência de piora nos resultados. Ele classificou o período entre a quarta, dia 20, e a próxima segunda-feira, 25, como "os dias mais importantes dessa batalha contra o vírus".

"Estamos perdendo essa batalha contra o vírus, essa é a realidade", disse Dimas, acrescentando que nos próximos dias "a população terá oportunidade de fazer a sua parte". "Os dias que se seguem, na minha opinião, não são dias de feriado. São dias de luto."

Ele também projetou um crescimento nas taxas de infecções e óbitos por coronavírus, ao menos, pelos próximos 20 dias. Segundo o coordenador do centro de contingência, é preciso diminuir a quantidade de pessoas nas ruas ao longo dos próximos dias para que a situação nos hospitais seja mais confortável daqui a "10 dias, 20 dias", quando as autoridades projetam o "pior da doença". 

A marca de 5 mil mortos foi atingida enquanto a Prefeitura da capital e o governo estadual tentam estimular a população a ficar em casa. O governador João Doria (PSDB) enviou à Assembleia Legislativa um projeto de lei que propõe antecipar o feriado de 9 de Julho para a próxima segunda-feira, dia 25. Já a Câmara Municipal aprovou projeto que autoriza o prefeito Bruno Covas (PSDB) a adiantar tanto o feriado do Corpus Christi quanto o Dia da Consciência Negra para esta semana. 

No último domingo, 54% da população paulista ficou em casa – um ponto porcentual a mais do que na semana anterior –, segundo o monitor do governo estadual que verifica o isolamento. No último sábado, o patamar ficou em 50%, mesmo resultado anterior. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.