ICMBio
ICMBio

Comando da PM em Rondônia suspende apoio em operações do ICMBio e Ibama

Polícia Militar alega 'utilização de combustível sem o devido cuidado para incineração de bens alheios' entre as causas da suspensão e afirma que a prática pode manchar imagem do Estado

Quetila Ruiz, especial para O Estado

17 de junho de 2020 | 18h56

PORTO VELHO - O comandante geral da Polícia Militar de Rondônia, coronel Alexandre Luís de Freitas Almeida, que tomou posse no dia 3 de junho, suspendeu temporariamente o apoio da PM às ações e operações desenvolvidas por órgãos ambientais no combate ao desmatamento ilegal na Amazônia. A suspensão foi realizada no dia 9 de junho por meio de ofício encaminhado à Superintendência do Ibama no Estado, Base Avançada do ICMbio em Porto Velho, Procuradoria da República em Rondônia e à Superintendência Regional da Polícia Federal. 

Segundo o comandante, as ações levam a uma "exposição das guarnições policiais militares a riscos desnecessários". Ele teme revolta da população vizinha e de quem teve seus bens destruídos pelos órgãos. Estes riscos, conforme o documento, seriam "a utilização de combustível sem o devido cuidado para incineração de bens alheios" e o local das incinerações, "que ocorrem fora da área de preservação, em estradas com possibilidade de acesso e próximo a pessoas da região".

Alexandre Luís de Freitas Almeida é contra a queima dos equipamentos utilizados no desmatamento ilegal, como tratores e caminhões. Conforme Almeida, a prática pode manchar a imagem do governo estadual. O apoio da PM, segundo o ofício, só retornará com o ajuste nos procedimentos. Ações desenvolvidas nas Unidades de Conservação Flona do Bom Futuro e Jamari podem ser prejudicadas com a suspensão deste apoio.

Conforme dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), os Estados do Pará, Mato Grosso, Amazonas e Rondônia correspondem a 84,56% de todo desmatamento observado na Amazônia Legal Brasileira (ALB). 

Entre agosto de 2018 e julho de 2019, cerca de 10.129 km² foram desmatados na ALB. No mapeamento do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), Rondônia detém cerca de 12,41% da taxa de desmatamento.

Procurado, o Comando da PM informou que será realizada, nesta quinta-feira, 18, uma reunião entre os órgãos envolvidos para tratar deste assunto e buscar um consenso para a realização das operações. A reportagem entrou em contato com o Ibama e o ICMBio, mas não obteve resposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.