Combate à dengue precisa ser retomado
Conteúdo Patrocinado

Combate à dengue precisa ser retomado

Preocupação com as doenças transmitidas por mosquitos aumenta com a proximidade do verão

Takeda, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

18 de outubro de 2021 | 07h30

Diante da emergência sanitária provocada pela covid-19, toda a estrutura de saúde teve que ser adaptada para receber os pacientes, ao mesmo tempo em que as equipes médicas viveram um longo período de esgotamento. Com isso, a prevenção e o combate a várias outras doenças ficou em segundo plano. A dengue é uma das maiores preocupações no Brasil – especialmente neste momento em que se aproxima o verão, estação em que costuma ocorrer a maior disseminação dos vírus transmitidos por mosquitos.

“Vários fatores simultâneos contribuem para esse alerta”, diz a infectologista Rosana Richtmann, integrante da equipe do Instituto Emílio Ribas e do Comitê de Imunizações da Sociedade Brasileira de Infectologia. “As visitas domiciliares de prevenção, que eram feitas regularmente pelas equipes de saúde, foram interrompidas durante a pandemia. Ao mesmo tempo, a circulação de pessoas está retomando a normalidade, fenômeno que ocorrerá com mais intensidade nas férias de fim de ano”, ela projeta.

Esforço necessário

Outro ponto de atenção é que, durante a pandemia, as pessoas se preocuparam em tornar o ambiente doméstico mais agradável e passaram a ter mais plantas em casa – “criadouros” em potencial do Aedes aegypti e outras espécies de mosquito que podem transmitir dengue, chikungunya e zika. “É urgente que se faça um esforço para reduzir a população de mosquitos, pois em muitos lugares a reprodução vem ocorrendo livremente”, observa Rosana.

Para a epidemiologista, as ações necessárias incluem o retorno pleno das equipes de saúde ao trabalho de campo e a retomada das campanhas de conscientização contra a dengue. “Tudo isso ajuda a tornar a doença mais visível para a população, a classe médica e os gestores de saúde pública”, observa a médica.

São providências especialmente relevantes nesta fase em que a população ainda não está totalmente imunizada contra o coronavírus – mesmo com a queda na ocorrência de covid-19, a doença continua sobrecarregando o sistema de saúde.


APRESENTADO POR

C-ANPROM/BR/CORP/0125 – Out/2021 | Material destinado ao público em geral

Tudo o que sabemos sobre:
medicinaprofissãodengue

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.