Combinação de tratamentos inibe recaída no câncer de mama

Estudo americano recomenda adição de quimioterapia ao tratamento padrão com o medicamento tamoxifen

Efe,

11 Dezembro 2009 | 15h09

A adição de quimioterapia ao tratamento padrão com tamoxifen em mulheres pós-menopáusicas que sofrem de câncer de mama de nódulo positivo aumenta o índice de sobrevivência e reduz as possibilidades de recaída. O benefício desse duplo tratamento é ainda maior quando o tratamento com tamoxifen é aplicado após a quimioterapia, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira, 10, na revista médica The Lancet e dirigido pela professora Kathy Albain, do Cardeal Bernardin Cancer Center, da Loyola University Chicago - Stritch School of Medicine (EUA).

 

Veja também:

linkCafé pode reduzir risco de câncer de próstata, indica estudo

linkEstudo descarta ligação de celular com tumor cerebral 

linkVacina mostra eficácia contra câncer de colo do útero

 

Das 1,477 mil pacientes escolhidas ao acaso e observadas durante até 13 anos (nove anos em média), 60% das tratadas com quimioterapia seguida de tamoxifen estavam livres de recorrência depois de dez anos, contra 53% das que receberam quimioterapia e tamoxifen ao mesmo tempo e 48% das tratadas unicamente com tamoxifen.

 

Outro artigo da mesma equipe médica, que aparece na edição on-line da "The Lancet Oncology", indica que um teste de previsão de recorrência usado habitualmente (o de 21 genes) é capaz de prever se as pacientes do mesmo estudo vão se beneficiar com o tamoxifen.

 

O teste indica que as mulheres com risco elevado de recorrência são as que mais vão se beneficiar da quimioterapia auxiliar, enquanto aquelas que têm risco mínimo talvez não se beneficiem, o que poderia poupar-lhes dos efeitos tóxicos da quimioterapia.

 

Uma análise que levou em conta diferentes fatores de previsão indica que as mulheres nos grupos que receberam ambos os tratamentos simultaneamente e de maneira sucessiva tinham 24% menos chances de sofrer uma recaída do que as que receberam só tamoxifen, e 17% tinham mais possibilidades de sobrevivência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.