Rama/Divulgação
Rama/Divulgação

Comer mais no café da manhã não ajuda a comer menos durante o dia

Segundo cientistas, comer mais no desjejum resultou apenas em um acréscimo de calorias no total do dia

estadão.com.br,

17 Janeiro 2011 | 09h38

SÃO PAULO - "O café da manhã é a refeição mais importante do dia." Frases populares como essa imortalizaram a crença de que um café da manhã reforçado é importante para uma nutrição balanceada. Mas será que comer mais no café da manhã é mesmo melhor? Uma pesquisa publicada na revista Nutrition Journal ajuda a esclarecer o papel do desjejum na dieta balanceada.

 

Os pesquisadores avaliaram a dieta de 300 pessoas, que fizeram um diário de sua alimentação. No grupo havia aqueles que comiam muito no café da manhã, os que comiam pouco e os que não comiam nada.

 

Segundo os cientistas, os resultados da análise dos diários mostram que as pessoas comem a mesma quantidade no almoço e no jantar, independentemente do que comeram no desjejum. Sendo assim, um acréscimo de calorias no café de manhã apenas resulta em um acréscimo de calorias no total do dia, não ajudando na redução das refeições ao longo do dia.

 

A única diferença observada foi o benefício de não se fazer um lanche no meio da manhã quando o café da manhã já foi grande. No entanto, isso não foi suficiente para compensar as calorias a mais que já haviam sido ingeridas.

 

O grupo de cientistas responde com essa pesquisa a uma pesquisa anterior, que afirmava que um café da manhã reforçado reduzia a ingestão de calorias no dia, mostrando que esses dados podem ser enganosos. Isso por que a pesquisa anterior avaliou a proporção entre as calorias ingeridas no desjejum e nas demais refeições, notando uma aparente diminuição (quando na verdade, o acréscimo de calorias da primeira refeição do dia não estava gerando uma diminuição nas demais refeições). Em outras palavras, o café da manhã é proporcionalmente, mas não em absoluto, maior.

Mais conteúdo sobre:
saúde dieta alimentação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.