Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Comércio de SP rejeita pagar teste de covid-19 para funcionários; bares querem mesa na calçada

Capital está na fase laranja (fase 2) do plano de reabertura do governo; bares e restaurantes não pode reabrir na atual fase, apenas mantêm delivery

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2020 | 19h57

A cidade de São Paulo negocia protocolos de reabertura comercial com 50 setores da economia, mas já enfrenta entraves de ordem financeira para conseguir dar fôlego a empresários e trabalhadores sem colocar em risco a capacidade do sistema de saúde de atender pessoas com a covid-19.

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é uma das participantes da negociação. A entidade divulgou comunicado ontem detalhando parte das sugestões à cidade, mas destacou o posicionamento contrário a uma das principais medidas solicitadas pela gestão Bruno Covas (PSDB): que o setor privado faça testes de covid em seus funcionários.

“A federação enviou ofício (à Prefeitura) questionando o ônus da realização de testes laboratoriais para covid-19 ao setor privado, tal como proposto no decreto publicado pela prefeitura de São Paulo, uma vez que o empresariado já passa pela crise e tem tido dificuldade de manter os negócios”, diz o texto.

Entre as medidas que a FecomercioSP entende ser possível acatar, estão “uso de equipamentos de proteção por funcionários e clientes; colocar à disposição álcool em gel e cartilha com as diretrizes sanitárias; distanciamento social de 1,5 metro; orientação para que não haja contato físico; horário de atendimento diferenciado para grupo de risco; restrição de viagens de negócios; proibição de eventos em larga escala; separação de lixo com potencial de contaminação; restrições aos serviços de valet nos estacionamentos; dentre outras”, ainda segundo o documento.

A Prefeitura foi questionada pelo Estadão sobre o ofício, mas não respondeu. Deve divulgar na quarta, 3, o balanço dos três primeiros dias de negociações com a iniciativa privada para definir a retomada, e há possibilidade de anunciar as datas da reabertura. Técnicos das áreas de Saúde e da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho deveriam enviar entre ontem e hoje respostas às propostas já apresentadas, para a finalização dos protocolos ainda nesta quarta.

A capital está na fase laranja (fase 2) do plano de reabertura do governo do Estado. O setor de bares e restaurantes, que não pode reabrir na atual fase (mantém apenas delivery), tem dois pleitos em negociação: que bares possam colocar mesas nas calçadas da frente dos estabelecimentos para garantir distância entre os clientes e que os comerciantes sejam isentos da taxa do Termo de Permissão de Uso (TPU), pago anualmente por quem usa as calçadas.

Receba no seu email as principais notícias do dia sobre o coronavírus

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.