Comida virtual causa estresse em pacientes com distúrbios alimentares

Estudo revela que alimentos em realidade virtual causam mesmas respostas emocionais que os reais

estadão.com.br

05 Julho 2010 | 19h31

SÃO PAULO - Alimentos apresentados em ambiente de realidade virtual causam as mesmas respostas emocionais que os alimentos reais.

Pesquisadores que escrevem nos anais de psiquiatria geral do jornal britânico BioMed Central compararam as respostas fornecidas por pessoas com anorexia e bulimia e as dadas por um grupo saudável em relação a lanches reais e virtuais. Os estudiosos sugerem que a comida virtual pode ser usada para avaliar e tratar transtornos alimentares.

Alessandra Gorini, do Istituto Auxológico Italiano, em Milão, trabalhou com uma equipe internacional de pesquisadores para comparar os efeitos da exposição a alimentos verdadeiros, virtuais e fotografias em pacientes que sofrem de distúrbios alimentares.

"Embora preliminares, nossos dados mostram que os estímulos virtuais são tão eficazes quanto os reais, e mais eficazes do que imagens estáticas na geração de respostas emocionais de pacientes com transtornos alimentares", afirma Alessandra.

Foi mostrada, para dez mulheres com anorexia, dez com bulimia e dez saudáveis, uma série de seis alimentos reais altamente calóricos, colocados sobre uma mesa na frente delas. Os batimentos cardíacos, a condutividade da pele e o estresse psicológico de todas elas foram medidos durante a exposição.

O processo foi repetido com a apresentação em slides dos mesmos alimentos e uma viagem em realidade virtual a uma lanchonete gerada por computador onde as pessoas podiam interagir com os mesmos seis itens. O nível de estresse das participantes foi estatisticamente idêntico em realidade virtual e na exposição real.

"Dado que a exposição real e a virtual induzem a um nível de estresse equivalente, maior do que a provocada por imagens estáticas, podemos eventualmente esperar que a realidade virtual seja usada para mostrar, avaliar e tratar as reações emocionais provocadas por estímulos específicos em pacientes acometidos por diferentes transtornos psicológicos", afirma Alessandra Gorini.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.