Comitê do parlamento britânico condena gasto em homeopatia

Paula Ross, executiva-chefe da Sociedade de Homeopatas, repudiou o resultado da investigação parlementar

Reuters,

22 Fevereiro 2010 | 16h54

O Reino Unido deveria encerrar o financiamento estatal de tratamentos homeopáticos porque são "cientificamente implausíveis" e não funcionam melhor que placebos, disse um influente comitê parlamentar nesta segunda-feira, 22.

 

linkCresce procura por terapia alternativa na rede pública

linkOMS condena declaração de homeopatas contra vacina H1N1

linkOMS condena uso da homeopatia contra doenças perigosas

 

O comitê de Ciência e Tecnologia disse que produtos homeopáticos não são medicamentos e não deveriam mais ser licenciados pelos órgãos reguladores.

 

Produtores de homeopatia não deveriam ter permissão para alegar benefícios médicos para seus produtos sem ter evidência de que funcionam, acrescentaram os parlamentares.

 

O comitê acusou o governo de enviar mensagens confusas sobre remédios homeopáticos, ao afirmar que, embora não haja evidência de que funcionam, podem ser pagos por meio dos recursos públicos do Serviço Nacional de Saúde.

 

"Isso cria um precedente infeliz para o departamento de saúde considerar que a existência de uma comunidade que acredita que a homeopatia funciona é 'evidência' suficiente para que se continue a gastar dinheiro público nisso", disse o presidente do comitê, Phil Willis.

 

A homeopatia, que surgiu na Alemanha no século 18, baseia-se no princípio de que "semelhante cura semelhante". A teoria é de que substâncias que desencadeiam certos sintomas também podem tratar esses sintomas, se administradas em forma extremamente diluída.

 

A prática é controversa porque muitos de seus conceitos fundamentais não concordam com a ciência moderna. Muitos estudos mostram que tratamentos homeopáticos não são melhores que placebos - substâncias sem efeito nenhum, que apenas produzem no paciente a ilusão de que está recebendo tratamento.

 

Paula Ross, executiva-chefe da Sociedade de Homeopatas, repudiou o resultado e acusou o comitê de desperdiçar dinheiro público, ao desviar sua investigação, tirando foco da questão das políticas públicas para homeopatia e passando a tentar determinar se a homeopatia funciona, uma questão que o grupo de políticos não tem como responder. 

 

Ela disse que há evidências de que a homeopatia é melhor que os placebos, mas que "os cientistas ainda tem de entender como".

Mais conteúdo sobre:
saúde reino unido homeopatia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.