Felipe Rua/Estadão
Felipe Rua/Estadão

Como a drenagem linfática pode ajudar a sua saúde?

Além de relaxar, técnica de massagem aumenta a circulação sanguínea, diminui o inchaço e ajuda na eliminação de toxinas

Ana Lourenço, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2022 | 05h00

"Há quatro anos comecei e não parei mais. Sinto muita diferença, sabe? Me sinto mais leve quando faço", conta a empreendedora Leilane Lobo sobre suas sessões de drenagem linfática. Por orientação médica, ela iniciou o tratamento após 12 semanas de gestação para combater a retenção de líquidos e inchaço, característicos da gravidez

O resultado foi surpreendente. “Ao longo da gestação, não tive inchaços ou dores em nenhum lugar, foi incrível. Continuei fazendo e hoje sinto melhoras até nas minhas crises de enxaqueca, na redução de celulite nas coxas. Até meu sistema digestivo foi beneficiado”, diz.

Um dos carros-chefe de qualquer clínica de estética, a drenagem linfática teve origem na década de 1930. Após anos sendo considerada um luxo supérfluo, a técnica manual hoje é vista como uma aliada da saúde e do bem-estar. Além de contribuir para a prevenção de doenças, aumentar a circulação sanguínea, melhorar a atividade muscular, auxiliar na recuperação de lesões musculares e reduzir o inchaço, a massagem elimina o excesso de toxina do organismo.

“Durante o processo de nutrição da célula, ela vai aproveitar o que for importante e descartar o resto. Essa ‘sujeira’ vai para a linfa e o sistema linfático vai fazer a remoção por meio do suor e do rim, pela excreção de urina”, ensina Silvia Rodriguez Lopez Deaño, fisioterapeuta do Hospital Santa Catarina. “Quando a gente tem um problema no sistema linfático, temos dificuldade de retirar as impurezas. A drenagem vem para auxiliar, para direcionar essa linfa para que a gente faça a limpeza.”

Justamente por essa característica, a drenagem auxilia na perda de medidas – o que não deve ser confundido com emagrecimento. “A drenagem não emagrece, ela desincha. Para emagrecer e retirar a gordura são necessárias outras medidas”, diz Silvia, citando a importância de sono, atividades físicas, hidratação e alimentação.

E a celulite?

“Quase todas as questões estéticas são causadas por um processo inflamatório. A celulite, por exemplo, é uma má circulação local, que causa uma inflamação em determinada região. A drenagem vai acelerar a desinflamação. As clínicas de estética investiram na drenagem linfática para otimizar e dar melhor resultado aos clientes”, explica a biomédica estética Lorena Soares. Com o avanço da tecnologia e o surgimento de outros métodos, a drenagem atualmente é mais indicada para combater a retenção de líquidos do que para tratar a celulite, que exige ações mais potentes. 

No spa da fisioterapeuta Renata França, ela decidiu juntar os benefícios da massagem modeladora e redutora com a drenagem. “As técnicas tradicionais sempre pregaram que são antagônicas, porque a drenagem tradicional era, e é, aplicada de forma muito leve, já a modeladora, forte. Por essa razão, elas não se somariam. Minha expertise me mostrou o contrário, então desenvolvi manobras que drenam e modelam o corpo ao mesmo tempo. Foi assim que nasceu a Miracle Touch.” 

Na sessão de cerca de uma hora, são aplicadas 60 manobras diferentes que aceleram o metabolismo e melhoram a circulação. O processo ainda é relaxante, uma vez que alivia a pressão do líquido. Por isso, é recomendado na TPM, para diminuir inchaços e a ansiedade, e na menopausa, quando se tem queda de estrógeno, o hormônio que diminui o acúmulo de gordura. 

Benefícios da drenagem para quem tratou câncer de mama

Como acelera o processo de regeneração, a drenagem é muito usada nos pós-operatórios, inclusive nos casos de câncer de mama. “Cerca de até 10%, 15% das mulheres que se submeteram ao tratamento de câncer de mama têm linfedema (acúmulo de líquido linfático) no braço da mama que foi tratada. Tanto pela cirurgia quanto pela radioterapia. Nesses casos, a gente pode ter um benefício a partir da drenagem linfática”, informa o coordenador do Núcleo de Mama do Centro Especializado em Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Pedro Exman.

Ele explica que o tratamento é feito junto com a fisioterapia e exercícios para fortalecimento, ajudando a controlar, o mais rapidamente possível, o edema. Eunice Marinho, que passou por operação para retirada de tumor em agosto de 2020, notou a diferença.

“Após um ano e meio, dois anos da cirurgia, comecei a sentir o braço direito mais inchado do que o outro. Então o médico me pediu para passar na fisioterapia e, por eu ser enfermeira e estarmos em pandemia, ela me ensinou como fazer em casa. Sempre que sinto dor ou vejo que está inchado, separo 15 minutos e faço a massagem do punho ao pescoço”, lembra ela, que também faz exercícios de fortalecimento e tai chi chuan três vezes por semana.

“Costumo fazer uma analogia do tratamento de drenagem com a academia. Se fizer só um mês, vai começar a sentir o corpo funcionando melhor, respondendo aos estímulos. Mas, se parar a academia, após um tempo, volta tudo. Então a drenagem linfática é um tratamento contínuo. Só no pós-operatório que a gente exige no mínimo dez sessões”, conta Luciana Piquet, CEO do SPA Express. 

A drenagem linfática é bem-vinda para a maioria das pessoas. No entanto, uma avaliação detalhada é essencial, pois existem contraindicações. “Estando tudo certo, a gente começa com dez sessões, intercalando duas a três vezes na semana, pois, quando bem-feita, ela dura de dois a três dias. Porém, se você mudar seus hábitos, fizer atividade física frequente, adotar uma alimentação anti-inflamatória e beber água, terá o sistema linfático atuando de forma efetiva. O segredo é fazer o corpo voltar a funcionar e ensinar o paciente a fazer isso de forma natural para não ficar dependente”, diz a biomédica Lorena. 

Fique atento

Movimentos

A drenagem linfática é muito leve, até porque tem de acessar uma camada superficial onde está o sistema linfático, e a mão não pode ser tão pesada. Assim, jamais, deve deixar hematomas ou causar dor. 

Público

Durante a gravidez, depois de cirurgias plásticas, após o tratamento de câncer, no período menstrual ou quando há uma diminuição da circulação. Lembrando que sempre é importante consultar seu médico de confiança antes. 

Contraindicações

As principais contraindicações são para pessoas hipertensas, uma vez que ativa a circulação sanguínea e consequentemente aumenta a pressão arterial; pessoas com trombofilia; quem tem hipersensibilidade na pele; durante processos inflamatórios, pois a drenagem pode espalhar essas células pelo corpo; e pacientes com asma não tratada, já que o bombeamento pode causar alteração de pressão e gerar uma crise severa.

Diferenças 

A massagem modeladora, muito confundida com a drenagem, tem o objetivo de desenhar o corpo, assim como a redutora (aplicada em áreas específicas). As duas, têm pressões mais fortes para retirar o acúmulo de gorduras, então costumam doer um pouco mais. Elas são as mais indicadas nos casos de celulites. 

Relaxante

A drenagem linfática é muito leve, até porque ela tem que acessar uma camada superficial onde está o sistema linfático, e a mão não pode ser tão pesada. Assim, ela não é, jamais, para deixar hematomas ou causar dor.

Manual ou aparelho 

“A diferença entre uma drenagem linfática manual e uma mecânica é justamente a pressão. A manual, mais suave, é indicado num pós-operatório, por exemplo, enquanto na quebra de gordura, nos casos de celulite, a drenagem mecânica vai fazer uma pressão muito maior”, diz Silvia. 

Tudo o que sabemos sobre:
câncercelulitegordura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.