Alberto Pizzoli/AFP
Alberto Pizzoli/AFP

Como diferenciar coronavírus e alergias

CONTEÚDO ABERTO PARA NÃO-ASSINANTES: Sintomas apresentados podem ser semelhantes e especialistas demonstram preocupação com sobrecarga do sistema de saúde. Médicos explicam a diferença; veja

Sindya Bhanoo, The Washington Post

12 de março de 2020 | 14h00

Os sintomas de uma alergia podem ser debilitantes: coceira, olhos vermelhos e lacrimejantes, espirros, coriza e, às vezes, tosse. Este ano, o novo coronavírus adiciona uma camada de desconforto ao aborrecimento sazonal, especialmente em áreas onde a contagem de pólen já está em níveis mais elevados. Com o medo aumentando em conjunto com o número de casos de covid-19, a doença respiratória causada por um vírus, médicos estão preocupados com a possibilidade daqueles  que sofrem com alergias confundirem suas reações costumeiras ao pólen com sintomas de coronavírus e, assim,  sobrecarregarem um sistema de saúde já sobrecarregado com visitas causadas pelo pânico.

"Pode ser confuso e é importante diferenciar. Se é viral, toda vez que você tosse, espalha gotículas em um raio de um metro e oitenta "que podem infectar outras pessoas", disse Sally Joo Bailey, alergologista da Allergy Associates of Northern Virginia, em Arlington, na Virgínia, e ex-presidente da Sociedade de Asma, Alergia e Imunologia Clínica da Grande Washington. As alergias, por outro lado, não são contagiosas.

Os dados mostram que algumas pessoas infectadas com o coronavírus apresentam sintomas semelhantes, como tosse, congestão nasal, coriza e garganta inflamada.

Mas existem diferenças importantes entre o vírus e as alergias que devem ajudar a aliviar o pânico desnecessário. Alergias, que são uma reação exagerada do sistema imunológico a partículas estranhas, não devem causar calafrios, dores no corpo ou febres, disse Sally. Esses são os sinais clássicos de uma infecção viral, como a do covid-19. Além disso, embora pacientes com coronavírus possam ter congestão nasal, isso não é comum. A Organização Mundial da Saúde (OMS) descobriu que apenas cerca de 5% dos pacientes com coronavírus na China tinham congestão nasal. E, aproximadamente, 14% apresentavam dor de garganta.

A temporada de gripes e resfriados pode durar até maio (no hemisfério norte), e é mais difícil diferenciar a covid-19 dessas doenças. Tanto o resfriado quanto a gripe, ou a influenza, são, como a covid-19, infecções virais transmitidas por meio do contato de pessoa para pessoa. A gripe é acompanhada de febre, o que também pode acontecer no caso de um resfriado. Tanto a gripe quanto o coronavírus podem causar tosse seca. Já um resfriado pode ser acompanhado por uma tosse úmida ou seca.

A vacina contra a gripe não oferece proteção contra o coronavírus e não garante que você não contraia a doença; portanto, as pessoas que foram vacinadas contra a gripe, mas apresentam sintomas semelhantes aos da enfermidade, devem levá-los a sério.

"Mesmo um médico experiente nem sempre pode diferenciar infecções virais sem exames", disse Jesse Goodman, especialista em doenças infecciosas da Universidade Georgetown.

Em caso de dúvida, é melhor consultar um médico, disse Goodman. "Eles provavelmente farão perguntas sobre a saúde geral do paciente, além dos medicamentos que faz uso para avaliar seu grupo de risco". Aqueles com febre alta e dificuldade em respirar serão solicitados a talvez ficarem internados, mas, à medida que os casos de covid-19 aumentam, os pacientes que apresentam sintomas leves podem ser encorajados a ficar em casa em vez de fazer o teste, uma vez que não há medicamentos para a doença, apenas cuidados de apoio. "Queremos testar as pessoas para confirmar os casos de gripe porque temos um tratamento para esses pacientes", disse Goodman, referindo-se ao medicamento antiviral usado no tratamento daqueles com gripe.

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Aqui estão algumas sugestões de especialistas sobre como lidar com essa confluência de alergias sazonais, resfriado comum, influenza e coronavírus.

  • Pessoas com alergias sazonais frequentes devem prestar muita atenção aos sintomas alérgicos com os quais estão familiarizadas e tratá-los normalmente. Isso inclui tomar banho e lavar o cabelo assim que chegar em casa para remover o pólen e tomar o anti-histamínico que funciona melhor para você. Alguns anti-histamínicos, como Benadryl, têm efeitos sedativos e trabalham rapidamente, mas devem ser repetidos a cada quatro ou seis horas. Outros, como Allegra, Claritin e Zyrtec, são duradouros e não sedativos, mas podem levar várias horas para começar a fazer efeito. Os anti-histamínicos devem proporcionar algum alívio. Caso contrário, consulte um clínico-geral ou um alergologista.
  • Qualquer pessoa que não se sinta bem deve prestar atenção à febre. O coronavírus pode causar febre alta, tosse intensa e falta de ar. Se você tiver febre acompanhada de dificuldade em respirar, procure ajuda médica imediatamente.
  • Embora seja importante que os profissionais de saúde tenham espaço e recursos para ajudar aqueles que realmente precisam, sinta-se à vontade para ligar para um consultório ou posto médico com preocupações. Um enfermeiro pode fazer perguntas que ajudarão a determinar se você precisa ser examinado imediatamente. "Não queremos abarrotar o sistema, especialmente as salas de emergência no momento", disse Elizabeth Douglass, especialista em doenças infecciosas da Faculdade de Medicina Dell Seton, da Universidade do Texas, em Austin.
  • Tome a vacina contra a gripe, caso isso não tenha acontecido ainda. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC na sigla em inglês) relata que a vacina contra a gripe diminui as chances de contrair a doença em 45%. Ou seja, aqueles que não a tomaram ainda podem e devem fazê-lo.
  • Descubra se você é candidato à vacina contra pneumonia. Tanto a gripe quanto o coronavírus podem resultar em pneumonia, que pode ser fatal. Adultos com mais de 65 anos ou outros com certas condições médicas crônicas podem se beneficiar da vacina, que fornece proteção contra a pneumonia mais comum em adultos.
  • Lave suas mãos. Isso ajuda a impedir a propagação de todas as infecções virais, incluindo gripe, resfriado e coronavírus. Use sabão e água morna e esfregue bem.
  • Não entre em pânico. Não é necessário comprar máscaras ou usá-las, a menos que você tenha uma infecção viral contagiosa ou esteja cuidando de alguém infectado.

"Ninguém pode dizer agora que esse vírus não é significativo", disse Goodman sobre o coronavírus. "Mas acho que é realmente importante que as pessoas percebam que não é o ebola", que tem uma taxa média de mortalidade de 50%, em comparação com a estimativa atual da OMS entre 3% e 4% para a covid-19. "Parece que a grande maioria das pessoas tem uma doença moderada e melhora."

Ele enfatizou que, à medida que entramos na temporada de alergias e saímos da época de gripes e resfriados, é importante que o público não corra para o pronto-socorro com alergias sazonais e doenças menos graves, ou que compre máscaras e antissépticos para as mãos desnecessariamente.

"Às vezes, o medo pode ser mais perigoso que um vírus", disse ele. "As pessoas podem colocar a si mesmas e a outras pessoas em perigo". / TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIAC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.