Complacência causa epidemias letais de sarampo na África

Vitórias contra a doença em anos recentes levaram governos a relaxar os controles, dizem especialistas

REUTERS

17 de agosto de 2010 | 17h51

As piores epidemias de sarampo dos últimos anos estão infectando milhares e matando centenas pela África, uma prova trágica do que acontece quando autoridades sanitárias baixam a guarda contra essa doença altamente contagiosa.

 

Especialistas em saúde dizem que os sucessos da última década em ampliar a vacinação e cortar a mortalidade levou a níveis perigosos de negligência em alguns países, e o foco se perdeu.

 

Mesmo as mães - que, até recentemente, em alguns países nem davam nome aos filhos antes que eles sobrevivessem ao sarampo - foram atraídas para uma falsa sensação de segurança, acreditando que a doença estava derrotada e que não era mais preciso ir às clínicas em busca da vacina.

 

Cerca de 164.000 pessoas morreram de sarampo em 2008, uma queda de 78% do número de 2000, de acordo com a Iniciativa Sarampo, que agrupa organizações como o Unicef e a OMS.

 

Mas o Unicef teme que os efeitos combinados da perda de apoio político e financeiro ao combate ao sarampo possa reverter os ganhos, resultando num total de mortes estimado em 1,7 milhão entre 2010 e 2013.

 

"Sarampo é tão infeccioso que, dado um pouco de espaço, vai se espalhar muito depressa", afirmou Andrea Gay, diretora de saúde da criança da Fundação Nações Unidas.

 

A África já está passando por uma das maiores e mais letais epidemias de sarampo em vários anos, e mais de 1.400 pessoas, a maioria crianças pequenas, morreram neste ano.

 

O número de mortes na África ainda é relativamente pequeno na comparação com a Índia,. que respondia por 75% das mortes de sarampo em 2008, mas o risco é que a complacência permitirá que o vírus se dissemine rapidamente.

 

De acordo com a OMS, mais de 28 países da África já enfrentaram epidemias de sarampo neste ano. Alguns dos mais atingidos são Lesoto, Malavi, Namíbia, África do Sul, Zâmbia e Zimbábue.  

Tudo o que sabemos sobre:
vacinaçãoáfricasarampo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.